Compartilhar...

VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Economia

Dólar vai a R$ 3,41, pressionado por petróleo e tensão com PEC dos gastos

Com Vale em queda, Bovespa perde 1,57%
Divulgação
Moeda norte-americana teve valorização de 0,70% nesta terça
O dólar comercial é vendido a R$ 3,41, com valorização de 0,70%, seguindo a tendência internacional - globalmente, é pressionado pelo recuo nos preços do petróleo - e sem intervenções do Banco Central no mercado. Na máxima, a cotação chegou a R$ 3,414 nesta terça-feira (29).
Ontem, a moeda teve depreciação de 0,82%. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) aprofundou as perdas, puxada por Petrobras e Vale. O Ibovespa, principal índice do mercado brasileiro, opera com declínio de 1,57%, a 61.869 pontos, enquanto investidores aguardam a votação da PEC dos gastos, na tarde de hoje, no Plenário do Senado. Na véspera, o mercado brasileiro teve alta de 2,11%, com impulso do mineradora, que hoje é prejudicada pelo recuo no minério de ferro.
No exterior, o dólar subia também ante outras moedas emergentes, com destaque para o rand sul-africano e os pesos chileno e mexicano. No Brasil, o BC não anunciou intervenções no mercado de câmbio.
Os preços do petróleo caíam nesta sessão com sinais de que, na véspera da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), em Viena, os membros do grupo ainda não chegaram a um acordo. Amanhã, eles discutirão a proposta de reduzir a produção em cerca de um milhão de barris por dia (bdp), de cerca de 33,82 milhões de bpd em outubro. Às 12h40, o barril do tipo WTI caía 3,73% em Nova York, enquanto o Brent, referência para o mercado brasileiro, perdia 3,59%.
As ações da Petrobras perdem 5% nas ON (ordinárias, com direito a voto), a R$ 16,74, e 4,46% nas PN (preferenciais), a R$ 14,78, prejudicadas pela queda do petróleo. "O petróleo é a principal referência nesta sessão e, depois de meses, finalmente amanhã sai uma decisão sobre a produção", comentou o economista-chefe da corretora BGC Liquidez, Alfredo Barbutti.
Vale, que ontem saltou 7,3%, tem um dia de perdas. Os papéis ON cai 4,22% e os PN recuam 2,69%, acompanhando baixa dos preços do minério de ferro, após as fortes altas recentes. "Há nervosismo com a reunião da Opep, porque as pessoas não acreditam muito nas chances de um acordo, mas há também desconforto com a situação política (brasileira)", comentou o diretor de operações da corretora Mirae, Pablo Spyer.
Está prevista para a votação em primeiro turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o crescimento dos gastos públicos em primeiro turno no Senado. A votação ganhou ainda mais importância porque pode sinalizar se o governo conseguiu estancar a crise política que na semana passada respingou no presidente Michel Temer e levou à demissão de Geddel Vieira Lima da Secretaria de Governo.
Nos EUA, os índices abriram praticamente estáveis: o Dow Jones recua 0,07% e S&P, 0,49%. Na Europa, apenas Paris opera em alta, com o CAC 40 avançando 0,48%. Em Frankfurt, o Dax perde 0,12%. Em Londres, o FTSE recua 0,88%.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS