Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
São Leopoldo

Museu do Rio reabre com memorial Henrique Prieto

O prédio foi restaurado e criado com o objetivo de resgatar a memória ecológica do Rio dos Sinos
Diego da Rosa/GES
Viviane Diogo inaugurou a reabertura do Museu
Na entrega da reforma do Museu do Rio dos Sinos, que ocorreu semana passada (15), foi inaugurado também o Memorial Henrique Prieto. É o espaço físico de um saber construído com práticas e muita leitura. Um saber da história de um rio que garante água para uma multidão. O museu que se abre é um espaço de reflexão como bem queria Henrique Prieto (1938 – 2015) e o também ambientalista Henrique Luis Roessler (1896 - 1963), um protetor da natureza, um homem do rio. Aliás, o museu leva o nome de Roessler.
“A ideia do memorial é manter vivo o trabalho desenvolvido pelo secretário em prol da preservação do rio dos Sinos, contando através de seus objetivos pessoais, sua história e ações realizadas”, a titular da Secretaria do Meio Ambiente (Semmam), Viviane Diogo. E tudo ficará na casa, sede do Museu, que foi construída em 1863 e abrigava o antigo Cais do Porto de São Leopoldo.
Aliás, toda a história de São Leopoldo passa pelo Rio dos Sinos, desde 1824. Viviane ressalta que o prédio foi restaurado e criado com o objetivo de resgatar a memória ecológica do Rio dos Sinos, em razão da sua contribuição para o desenvolvimento econômico, político, social, cultural e ambiental da região e da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos. O prefeito Anibal Moacir conheceu o novo espaço ontem pela manhã. Já inauguração oficial aconteceu no final da tarde. Entre os convidados, conforme Viviane estavam autoridades e representes de entidade ambientais.
Reforma depois das cheias 
Viviane ressalta que o museu passou por uma reforma que contemplou toda a estrutura danificada na cheia do rio em 2015. Na verdade, desde a cheia de setembro de 2013, o Museu do Rio passou por períodos variados com poucos e restritos eventos. A ideia agora é conseguir aproveitar melhor o local e seu pátio e os 254 metros quadrados de área construída. Conforme o engenheiro da Semmam, Maidard Finardi Vieira, as obras preservaram as características do prédio. Entre as ações foram feitas a pintura da parte interna e externa, assim como a recuperação da textura e pintura na área externa, pintura das esquadrias, janelas e portas. Outro trabalho fundamental foi manutenção no telhado, com troca e fixação das telhas para dar mais resistência à cobertura. Além disso, foram instalados refletores para iluminar a fachada voltada à margem do rio. 
Outra medida essencial, para minimizar os efeitos das enchentes e pelo fato da casa estar em uma área de inundação, foi a instalação de comportas removíveis nas portas para proteção das cheias. Para completar foram instaladas novas cadeiras para o auditório e a colocação de pavimento com blocos de PVS no estacionamento. Viviane enfatiza que os recursos para a reforma do museu foram provenientes de Termo de Compensação Ambiental. O local que estava em ruínas em 2011 foi revitalizado. A grande revitalização foi inaugurada em 25 de julho de 2012 como Centro Roessler Museu do Rio dos Sinos, mais conhecido como Museu do Rio.
História conquistada
Com a reabertura do local, a história do ex-prefeito e ex-secretário do Meio Ambiente de São Leopoldo, Henrique Prieto, voltada à defesa do Rio dos Sinos, terá um lugar especial em forma de memorial na Rua da Praia junto ao rio. O espaço irá contar com um acervo de fôlego envolvendo fotos, livros e documentos, além de utensílios e materiais de uso pessoal de Prieto. Tudo para garantir um espaço para pesquisas e para pensar o meio ambiente. Para provocar reflexões. Provocar reflexões criticas, conhecer aquilo que se quer investigar. E refletir criticamente é posicionar-se a partir de um conjunto de informações conquistadas.
Obra na Rua da Praia para 2017
Outra ação importante e que vai garantir em breve um espaço de lazer para os leopoldenses e moradores da região é a obra de revitalização da Rua da Praia. Trata-se de um projeto que aproxima Rio dos Sinos da população. A previsão da Prefeitura era concluir o trabalho até o final do mês , mas conforme, a titular da Semmam, por conta do andamento da liberações de recursos por intermédio da Caixa, a obra só deve ser finalizada no início de 2017. Todo trabalho iniciou no primeiro semestre deste ano e o projeto, aprovado em 2015, contempla a pavimentação de 579,60 metros da Rua da Praia, implantação de rede de abastecimento de água, drenagem pluvial, passeio público, ciclofaixa, instalação de equipamentos de ginástica, playground e praça. Conforme dados iniciais do projeto, a obra tem valor de R$ 820.091,98, sendo R$ 690.900,00 do Ministério das Cidades, proveniente de emenda parlamentar do deputado Ronaldo Zulke, mais a contrapartida da Prefeitura de R$ 129.191,98.
O engenheiro Maidard, lembra que se trata de uma obra diferenciada por conta da localização, pois ela está em uma área de inundação. Então, é necessário na revitalização prever impacto de cheias, alagamentos, correnteza. “Para isso construímos uma base firme para a sustentação da rua.” Viviane Diogo ressaltar que as águas têm uma função que vai além do abastecimento. “A rua será um acesso para a educação ambiental. O Rio dos Sinos deve ser pensado de uma forma abrangente, como espaço de vegetação, de vida, de preservação.” Além da equipe da Semmam, o trabalho tem supervisão do engenheiro Nilson Karam, do Departamento de Fiscalização de Obras da Semov.
Maidard lembra ainda que por conta da topografia da área foi necessário mudar o projeto para evitar que algumas árvores saudáveis fossem removidas. Com isso, a ciclofaixa que teria 580 metros de extensão, ocupando toda a Rua da Praia, ocupará agora 380 metros, não chegando até o final da via. Além disso, a remarcação da rua contou com a colaboração de moradores, que cederam parte dos seus terrenos para aumentar a área do passeio. Dessa forma foi possível preservar a vegetação.
Visitação
O Quê: Centro Roessler Museu do Rio dos Sinos, o Museu do Rio;
Onde: Rua da Praia nas margens do Rio dos Sinos (logo depois da ponte 25 de Julho
como visitar: visitação será feita de terça a sexta-feira, das 8 às 14 horas; e por agendamento no turno da tarde e finais de semana pelo (51) 3526-6800.
O horário de atendimento poderá sofrer alterações a partir de 2017 com o novo governo municipal;
Acervo: Memorial Henrique Prieto.
Fonte: Secretaria do Meio Ambiente.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS