Compartilhe

Roteiro rural mostra as belezas e tradições italianas de Flores da Cunha

Cidade tem muitos pontos turísticos, ótima gastronomia e excelentes vinícolas


reportagem e imagens RAQUEL RECKZIEGEL
O hino oficial da imigração italiana no Rio Grande do Sul, La Mèrica, conduz um roteiro rural pelo interior da linda cidade de Flores da Cunha, na Serra gaúcha. Compassos da Mérica Mérica resgata a história e a tradição italianas através da arquitetura, espaços de memória e, é claro, da gastronomia. São sete propriedades e, em todas elas, há uma placa com um trecho da música La Mèrica, além de um dos poemas de Angelo Giusti, criador da letra da canção que dá nome ao roteiro. Segundo o presidente do roteiro colonial, enólogo e proprietário da Adega Mascarello/Dom Bôrtolo - Vinhos Finos, Jamur Mascarello, a iniciativa surgiu em 2010, a partir da vontade dos próprios empreendedores da cidade. A ideia era atender melhor o consumidor para vender produtos, incentivar o turismo e resgatar a história da tradição italiana como um todo, mas, especialmente, através da obra de Giusti. Com o apoio da Secretaria de Turismo, buscaram consultoria junto ao Sebrae em 2011 e, em 2013, o roteiro foi lançado. 
Ainda, foi firmada uma parceria com uma agência de turismo para facilitar o agendamento de visitas. Jamur ressalta que a intenção é fazer com que o turista se sinta em casa. “A gente trabalha para que ele vivencie a cultura da imigração italiana. E o pessoal tem saído encantado daqui, porque o atendimento é bem familiar e aconchegante”, diz. Durante uma presstrip em 28 de novembro, a secretária de Turismo, Fátima Ortiz, ainda destacou a importância das vinícolas da cidade. “Flores da Cunha é o município que mais produz vinhos no Brasil”, lembra. 

Conheça as propriedades


CASA GILIOLI
Casa Gilioli
Além da vinícola, há um galpão onde são servidas refeições sob agendamento com cardápio típico italiano, além de degustação de vinhos. O ambiente é temático, cheio de objetos antigos da época da imigração italiana.
Atendimento: segunda a sexta, 8 horas ao meio-dia e das 13h30 às 18 horas. Fins de semana sob reserva.
Telefones: (54) 3292-2772 e (54) 3292-5216
E-mail: vinicolagilioli@vinicolagilioli.com.br
Site: http://www.vinicolagilioli.com.br
FAMÍLIA VEADRIGO
Família Veadrigo
A família reside no local desde 1927. A vinícola trabalha com vinhedos próprios para a produção de vinhos de mesa e vinhos finos. É possível fazer visitas guiadas e degustação com agendamento prévio. Na propriedade também há um restaurante que serve uma gastronomia típica italiana.
Atendimento: domingos do meio-dia às 15 horas. Demais dias com reserva antecipada para grupos de, no mínimo, 20 pessoas. Capacidade máxima de 70 pessoas.
Telefone: (54) 3292-3511
E-mail: veadrigo@veadrigo.com.br
Site: http://www.veadrigo.com.br
ADEGA MASCARELLO
Adega Mascarello
A família produz vinhos, sucos e espumantes. Segundo Jamur Mascarello, as uvas são plantadas em dez hectares de vinhedos. No local, é feita degustação, visita e venda dos produtos. Também são servidas tábuas de frios, sob agendamento.
Atendimento: segunda a sexta, das 8 horas ao meio-dia e das 13h30 às 18 horas
Telefone: (54) 3292-1510
E-mail: adegamascarello@adegamascarello.com.br
Site: http://www.adegamascarello.com.br
VINÍCOLA PAGNO
Família Pagno
O grande destaque é a “colacion”, refeição composta por café com leite, sucos, vinhos, polenta, fortáia, salame, queijo, pão, chimias, copa, cucas e biscoitos.
Atendimento: segunda a sexta das 8 às 18 horas. Finais de semana sob reserva.
Telefones: (54) 3292-6559, (54) 99979-0868 e (54)
E-mail: ricapagno@hotmail.com e rpagno@hotmail.com 
FERNANDES MURARO
Fernandes Muraro
Dedicada à diversão para adultos e crianças, oferece espaço para brincadeiras como carrinho de lomba, perna de pau e futebol, além de divertidos passeios de carretão pela propriedade. São colhidas frutas no pomar, a criançada aprende a fazer pão italiano e ainda conhecem a famosa lenda do Sanguanel, uma espécie de Saci-Pererê da cultura italiana.
Atendimento: sob reserva
Telefone: (54) 99971-9219
E-mail: fernandes.muraro@gmail.com
JOEL BOLZAN
Joel Bolzan
No local, além de uva, alho, cebola e da produção de vinho colonial, os visitantes podem conferir a produção de uma iguaria diferente: os cogumelos. Joel produz Shiitake em toras de madeira e, também, através de uma técnica dentro de sacos. O Shiitake é comercializado no local em sua forma original, secos e em um antepasto que pode ser passado no pão.
Atendimento: sob reserva
Telefone: (54) 3292-1033
E-mail: joelbolzan@ibest.com.br 
Preços para os passeios
ROTEIRO COMPLETO: para um grupo médio (7 a 11 pessoas), 135 reais. Pode aumentar ou diminuir de acordo com o número de pessoas.
Visita às vinícolas com degustação: 6 reais
Almoço típico com vinho de mesa incluso: 52 reais (mínimo 20 pessoas ou encaixe)
Menarosto: 59 reais (mínimo 20 pessoas)
Colacion: 37 reais
Passeio de carretão: 26 reais
Visita a cultivo de cogumelos: 8 reais
DURAÇÃO DO ROTEIRO: 4 horas (mas as propriedades podem ser visitadas separadamente)
COMPRA DE PRODUTOS: não é preciso ser feito pelo roteiro, mas visitas precisam ser agendadas.
AGENDAMENTO: telefone (54) 99694-4154 ou e-mail contato@compassosdamerica.com.br, ou pela agência parceira Arte do Turismo pelos números (54) 3028-3418 e (54) 98119-0788.

O homem por trás da canção


Angelo Giusti
Ângelo Giusti nasceu na Itália em 1848 e fez parte das primeiras gerações de imigrantes da Colônia Caxias, da qual Nova Trento (atual Flores da Cunha) pertencia até 1924. Ele passou boa parte da sua vida no Travessão Rondelli, onde, durante o dia, fazia poesias e músicas enquanto trabalhava na lavoura e, à noite, passava tudo para o papel. Giusti era autodidata e sabia ler e escrever, mas nunca foi à escola.
Angelo Giusti
Ele aprendia e gravava a melodia na memória e, durante os finais de semana, nos encontros da igreja e festas comunitárias, cantava as composições criadas por ele mesmo. Entre os principais temas abordados estão a fé, a religiosidade e alguns acontecimentos da época. La Mèrica é um dos mais consagrados e se transformou, a partir da lei 12.411 de dezembro de 2005, no hino oficial da colonização italiana no Rio Grande do Sul.
Outros compassos
Em Flores da Cunha, há belos pontos turísticos como o Campanário, igrejas e museus. Também há várias rotas para seguir, como Caminhos da Colônia e Vinhos dos Altos Montes.
Divulgação
Igreja Nossa Senhora de Lourdes e o campanário de 55 metros
Nesta última fica a Luiz Argenta Vinhos Finos. A vinícola foi eleita uma das mais belas do mundo pela Revista Adega e foi adquirida em 1999 pelos filhos de Luiz, Deunir e Itacir. Daiane Argenta, filha de Deunir, ajuda o pai a manter acesa a paixão da família pelo vinho. “A gente recebe turistas do Brasil inteiro”, conta.
  • Vinhedos fazem parte da vista da vinícola Luiz Argenta
    Foto: Raquel Reckziegel/GES-Especial
  • Luiz Argenta tem um espaço especial para a degustação de vinhos
    Foto: Raquel Reckziegel/GES-Especial
A visitação à vinícola é feita com degustação de produtos e um tour guiado com duração de uma hora. O valor é 40 reais, de terça a domingo, às 10, 14, 15 ou 16 horas, para grupos de, no mínimo, 2 pessoas e, no máximo, 15. 
Mais informações: www.floresdacunha.rs.gov.br 

Mais especiais