Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Luto

Morre, aos 91 anos, o filósofo e sociólogo Zygmunt Bauman

Polonês tem como principal teoria a ''liquidez'' das relações sociais
Forumlitfest
Bauman morre aos 91 anos
O sociólogo e filósofo polonês Zygmunt Bauman, conhecido por seu conceito de "sociedade líquida", faleceu aos 91 anos, em sua casa em Leeds, na Grã-Bretanha - informou a imprensa de seu país polonesa, nesta segunda-feira (9).

De acordo com sua companheira Aleksandra Kania, citada pelo jornal polonês Gazeta Wyborcza, Zygmunt Bauman morreu "cercado de seus familiares mais próximos".

Nascido em uma família judia polonesa, em 1925, em Poznan, no oeste da Polônia, Bauman dedicava seus trabalhos à modernidade e às sociedades contemporâneas.

Comunista convicto durante e depois da Segunda Guerra Mundial, foi colaborador nos anos 1945-1953 dos serviços de Inteligência militar comunista. Seu arquivo se encontra no Instituto da Memória Nacional (IPN), organismo encarregado de perseguir os crimes nazistas e comunistas.

Em 1954, começa a ensinar Filosofia e Sociologia na Universidade de Varsóvia, antes de deixar a Polônia e ir para Israel, em 1968, em razão da onda antissemita orquestrada pelo poder comunista.

Depois de se instalar na Grã-Bretanha em 1971, ele dará aulas até se aposentar em 1990, na Universidade de Leeds, onde se tornou professor emérito.

Então marxista, Zygmunt Bauman se tornou um dos mais importantes representantes do pós-modernismo. No fim da década de 1980, ele criou o conceito de "sociedade líquida", onde tudo - incluindo o indivíduo - é alvo de consumo.

Ganhador de diversos prêmios internacionais, incluindo o Prêmio europeu Nagrode Amalfi e o prestigioso Prêmio Theodor W. Adorno, é autor de mais de 40 obras, traduzidas em pelo menos 15 idiomas. Entre seus títulos mais conhecidos, estão "Amor líquido", "Modernidade líquida" e "O mal-estar da pós-modernidade".

Em seu último livro, "Estranhos à nossa porta", publicado em 2016, ele analisa o discurso político e midiático sobre a crise migratória.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS