Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Ivar Hartmann

Multiplicando o dinheiro

Leia artigo de Ivar Hartmann
 Ivar Hartmann Ivar Hartmann é promotor aposentado
ivarhartmann@hotmail.com
Estou em uma loja do Outlet, vazia àquela hora da manhã, e chega uma funcionária da administração central com um carrinho. “Quantos vocês são?” pergunta ela. “Cinco!” responde o funcionário que me atendia. Ela abre o carro e começa a contar panetones para serem presenteados aos que trabalham na loja. Logo falo: “Não somos cinco, somos seis!” Ela para, me olha, entende a graça, pois a loja estava vazia e retruca: “É, são seis. O senhor também merece!” E ganho um bolo que o funcionário me entrega em uma sacola. Saio faceiro com o presente inesperado. Agora, como nos filmes e romances, vamos voltar algumas décadas.
Acadêmico de Direito e inexperiente, fui trabalhar como secretário do município de Iraí. O prefeito (que depois virou eterno) era o Pigatto. Experiente, mas pouco instruído. Somou-se o letrado ao iletrado e o inexperiente ao experiente e tivemos vários anos de convivência fraterna e profícua na prefeitura. Só que, hoje sei, mas na época não, vale mais a prática que a gramática. Fazer o que, todo jovem crê e jura que sabe mais que pais, professores e patrões. Somos injustiçados quando jovens. De meu tempo em Iraí e do Pigatto, lembro-me de uma única frase que aprendi com ele. Que nem meu pai, nem minha mãe, crentes alemães, poderiam produzir. Dizia o prefeito: “Ivar, vamos encher de pedidos estas secretarias estaduais, qualquer coisa que tu fique sabendo que estão distribuindo, vamos pedir também!” E arrematou com minha frase guia desde então: “Ninguém fica pobre por pedir!”
Afora a fama injusta de pão duro, e afora as compras em supermercados, lembro-me do “ninguém fica pobre por pedir” e peço desconto em tudo que compro. Estamos no início do ano, assim é fácil lembrar. Ganhei desconto de noventa centavos (imaginem!) na farmácia, três reais nas pilhas e vinte por cento em uma consulta odontológica. E irei somando ao longo do ano. Dez não gastos são economizados, então valem vinte, pois ficam disponíveis.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS