Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Presa no Revéillon

Viúva de embaixador grego no Brasil alega inocência em carta

Françoise é acusada de planejar morte do marido junto com amante no Rio

Reprodução/Facebook/Grécia no Brasil
Kyriakos Amiridis e a esposa Françoise
A viúva do embaixador da Grécia no Brasil, apontada pela polícia como a mandante do assassinato de seu marido no final de dezembro, alega inocência em uma carta divulgada nesta quarta-feira (11) pelo jornal grego Ethnos.

"Eu me declaro inocente diante do povo grego, sendo vítima de uma investigação policial precipitada e injusta", escreve Françoise de Souza Oliveira na referida carta, dirigida à embaixada da Grécia no Brasil e cujos trechos foram reproduzidos pelo jornal.

A suspeita, presa em 31 de dezembro pela polícia, também apela às autoridades gregas para cuidar da filha do casal, de 10 anos, provisoriamente confiada a uma amiga da família.

A mulher, de 40 anos, é acusada pela polícia carioca de planejar o assassinato de seu marido, Kyriakos Amiridis, de 59 anos, junto com Sérgio Gomes Moreira, um policial militar de 29 anos apresentado como seu amante e executor do crime.

De acordo com a polícia, a dupla articulou este "crime passional" com a ajuda de um primo do amante, Eduardo Moreira de Melo, de 24 anos, também preso. Segundo os investigadores, Françoise prometeu 80.000 reais ao primo do amante pela ajuda no crime.

O caso começou quando a esposa do embaixador relatou à polícia o desaparecimento do marido, enquanto o casal passava alguns dias de férias em sua residência em Nova Iguaçu. As declarações da mulher despertaram a atenção da Polícia, principalmente depois que o corpo "completamente carbonizado" do embaixador foi encontrado no veículo alugado pelo próprio.

De acordo com a Polícia, o diplomata teria tentando se defender antes de ser morto com um tiro disparado por uma arma identificada como pertencente ao arsenal da embaixada.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS