Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Eugenio Paes Amorim

Um banho de civilização

"Em Paris, Roma, Siena, Firenze e Veneza, cidades por onde passamos, sempre caminhei tranquilamente pelas ruas"

Eugenio AmorimEugenio Amorim é promotor de Justiça

epa1966@hotmail.com

Em lua de mel, encontro-me em meio a uma viagem de 17 dias a França, Itália e Suíça. Pois em pleno quarto de hotel na romântica e incomparável Veneza pretendo fazer um sumário do que vi no velho continente e gostaria de ver no nosso Brasil. Em Paris, Roma, Siena, Firenze e Veneza, cidades por onde passamos, sempre caminhei tranquilamente pelas ruas, mesmo altas horas da noite, sem que tenha testemunhado a mais ínfima manifestação de violência.

Tudo muito seguro e o máximo que se tem de incomodação são os ambulantes, na sua maioria provenientes da Índia, Paquistão ou Bangladesh, que são deveras insistentes na venda de seus badulaques.

O leitor me dirá que o Europeu tem uma cultura de não violência e eu lhe direi: as leis são extremamente rígidas e os Juízes aqui as aplicam e fazem cumprir. Mais: a polícia está por toda parte e na Itália encontram-se carros blindados e muitos soldados do Exército nas grandes cidades. Garantista defensor de bandido aqui não se cria!

Outro ponto importante a destacar é a limpeza. Mesmo sabendo que nos países do Norte Europeu a limpeza é ainda mais presente, a própria Itália, de origem latina, mantém suas ruas, rodovias, grandes e pequenas cidades em estado a meu juízo infinitamente adiante das sujas cidades brasileiras. Trabalha-se muito por aqui. Pouco se pode ver de mendigos. Quase não encontramos. Alguns pobres sírios, pouquíssimos, com famílias inteiras sob cobertores, nas calçadas, nas ruas de Paris. Nada mais.

Merece destaque ainda uma nota sobre a propalada grosseria de garçons, taxistas e outros trabalhadores europeus no trato com os turistas. Se isso um dia ocorreu não é mais uma realidade. Aquela estória de se não poder falar inglês em Paris não procede. Fomos bem tratados por todos, garçons, motoristas, policiais, comerciantes e em especial pelo gondoleiro.

Os utensílios do comércio, e especialmente a comida, são caros se fizermos uma comparação com nossa moeda, mas tudo da mais alta qualidade. A comida toda é boa e farta, por exemplo.

Este um breve relato comparativo entre a Europa e o Brasil atuais, que fazem o turista, sem pestanejar, não ter a mínima vontade de retornar. Desculpem a sinceridade. Agora ainda Verona e a Suiça (Lucerna, Berna e Genebra). Depois o adeus à civilização e a volta à selva.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS