Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Operação Carne Fraca

Por fraude na carne, diretor da BRF é preso ao desembarcar no Brasil

Roney Nogueira dos Santos estava na Europa e foi detido no aeroporto de Guarulhos

Valter Campanato/Agência Brasil
Operação Carne Fraca
A Polícia Federal prendeu Roney Nogueira dos Santos, diretor de Relações Institucionais da BRF, na madrugada deste sábado (18) no aeroporto de Guarulhos (SP). As informações são da GloboNews. Ele teve seu mandado de prisão expedido na sexta-feira, durante a deflagração da Operação Carne Fraca, mas estava na Europa.

A BRF é dona das marcas Sadia, Perdigão e Qualy. A empresa, assim como outra gigante do setor, a JBS, está entre as investigadas pela Polícia Federal por fraudes, junto com servidores do Ministério da Agricultura, na fiscalização e comercialização de carnes. 

Segundo a Polícia Federal, Roney Nogueira dos Santos era o representante da alta cúpula da BRF envolvido no esquema de fraude de documentos e adulteração de carne. Era ele quem defendia os interesses da empresa junto aos servidores públicos que recebiam as propinas.

Na decisão judicial que autoriza o início da Operação, constam trechos de diálogos interceptados nos quais fica clara a proximidade de Roney com fiscais do Ministério da Agricultura. Em diversas conversas, Roney liga para fiscais para dizer que já redigiu documentos, que deveriam ser escritos pelo Ministério, e que são necessárias apenas as assinaturas.

Documentos para habilitar uma das unidades da BRF para exportar para a Malásia, por exemplo, são conseguidos por meio da influência de Roney sobre os fiscais, segundo relata o documento da Justiça Federal.

Num outro trecho de conversa grampeada, Roney fala com um funcionário da BRF e depois com um advogado da empresa e solicita que sejam conseguidos documentos que comprovem que uma fiscal do Ministério ressarciu a BRF de um valor gasto para mandá-la ao exterior. "Na verdade esse reembolso nunca aconteceu, e a empresa teme ter problemas futuramente com relação a esta falsa declaração de reembolso", afirma a decisão judicial.

O que diz a BRF

A BRF disse, por nota, que "está colaborando com as autoridades para o esclarecimento dos fatos". A companhia reiterou "que cumpre as normas e regulamentos referentes à produção e comercialização de seus produtos, possui rigorosos processos e controles e não compactua com práticas ilícitas".


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS