Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Segurança pública

Vale do Sinos fica de fora da força-tarefa contra homicídios

Tropa de 600 policiais vai atuar especificamente na capital

  • Ato com a presença do governador José Ivo Sartori e do secretário de Segurança Pública, Cezar Schirmer, também oficializou o lançamento da terceira fase da Operação Avante
    Foto:Amilton Belmonte/GES-Especial
  • Quatrocentos policiais militares do interior integram a força-tarefa contra homicídios na capital gaúcha
    Foto:Amilton Belmonte/GES-Especial
  • Sartori recebe os armamentos na capital nesta manhã
    Foto:Amilton Belmonte/GES-Especial

Uma notícia ruim para o Vale do Sinos e a região metropolitana, mas ao menos um alento aos moradores de Porto Alegre. É o que representa o reforço de 400 policiais militares no policiamento ostensivo e preventivo da capital, anunciado na manhã desta quarta-feira (15), em ato no Parque Marinha do Brasil.

Vindos de comandos regionais do interior, eles se somarão a outros 200 agentes da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP), já em atuação na cidade. Sob batuta do Comando de Policiamento da Capital (CPC) e ao custo de R$ 6 milhões mensais aos cofres da Brigada Militar (BM), a Força-Tarefa terá a missão, até junho próximo, de botar para baixo indicadores criminais como homicídios, latrocínios e o furto e roubo de veículos.

“Reconheço que a preocupação da sociedade é a segurança e por isso temos que manter força na repressão para que os delinquentes saibam que o crime não compensa”, frisou o governador José Ivo Sartori, ao prestigiar o ato, que também oficializou o lançamento da terceira fase da Operação Avante.

 “Criminosos se cuidem porque nós estamos alertas e vamos caçá-los. Não vamos violentar e nos comportar como eles, mas seremos duros no combate e magnânimos na vitória”, frisou o secretário da Segurança Pública, Cezar Schirmer.

E ressaltou que a palavra de ordem para a segurança, a partir de agora, será integração. “Se juntos temos dificuldade de enfrentar a criminalidade, imagina separados. Vamos ampliar essa integração. Não é hora para continuarmos com soluções tradicionais que não resolvam. É hora de quebrar paradigmais”, enfatizou o secretário.

Foco na capital

Comandante-geral da BM, o coronel Andreis Dal Lago ilustrou que o objetivo da Avante será “levar medo aos delinquentes”. E citou os eixos de atuação dos 600 homens que comporão a FT. “A percepção do crime; a percepção da segurança e do policial na rua; e a repressão qualificada. Atuando pontualmente no atendimento a ocorrências geradas a partir do fone 190”, afirmou.

Dal Lago também descartou o uso dessa tropa no Vale do Sinos e região metropolitana, regiões que detém indicadores criminais tão altos quanto na capital. “Neste primeiro momento em Porto Alegre. Poderá num segundo momento, a partir de uma análise criminal, do movimento do crime, que vai acontecer e sabemos disso, pode se estender a área metropolitana, Vale do Sinos, litoral e Centro-Sul. Não há nenhuma dificuldade nisso, mas neste momento agora o foco é a capital”, destacou.

Interior não estará desprotegido

O coronel Andreis Dal Lago garantiu que com a extração de 400 PMs do interior não faltarão policiais nas cidades de origem desses servidores e em outras. “Com a experiência do ano passado e a partir de uma análise técnica o que tem acontecido nos últimos cinco anos é que migrou para o interior o furto qualificado e o roubo a estabelecimentos bancários durante o dia. Por que estão atuando nas pequenas cidades? É verdade que é menor o aparato policial, mas as rotas de fugas são muito maiores”, justificou Dal Lago.

Ele afirma, ainda, que delitos como roubo de veículos e a estabelecimentos comerciais não tem migrado às pequenas cidades. “Estou falando de pequenos municípios, de 2 a 3 mil habitantes e que tem lá até cinco PMs. Esses não foram tocados, não foram mexidos. Nós trouxemos efetivo de cidades maiores, inclusive estamos solicitando PMs voluntários para cidades que temos até três PMs. Não estamos aqui atacando a capacidade de defesa dos pequenos municípios, quero deixar bem claro isso”, argumentou.

Efetivo flutuante

A inclusão de novos 400 PMs ao efetivo da capital se dará de forma gradativa e flutuante, com comandos regionais cedendo um determinado número de servidores a cada período de 30 dias. A confirmação dessa metodologia veio do próprio comandante-geral da BM, ao exemplificar que nesta semana um total de 350 PMs, dos 400 previstos, será incorporado ao planejamento do CPC. Desses, 250 oriundos dos Batalhões de Operações Especiais (BOEs) de Santa Maria, Passo Fundo e também de Porto Alegre, chamados de “tropa reserva”.

O restante, não revelado no quantitativo pelo coronel Andreis Dal Lago, virá de municípios de maior porte e mais efetivo. “Revelar esses municípios é irrelevante. É uma informação que pode causar medo e uma ideia de desguarnição do interior. E isso não aconteceu. Tivemos esse critério técnico”, justificou.

Entrega de armas

O relançamento da Avante e da FT de combate a Homicídios foi precedido da entrega de 40 fuzis calibre 5.56 à BM, fruto de parceria da instituição com o Banco Central. Outras 300 espingardas calibre 12 também foram entregues, adquiridas por R$ 300 mil, recurso da BM.

Ministro da Justiça na capital

Durante a solenidade na capital o governador José Ivo Sartori confirmou que nesta sexta-feira aguarda pela chegada ao Estado do ministro da Justiça, Osmar Serraglio. Na pauta, a recente adesão gaúcha ao Plano Nacional de Segurança Pública e o fortalecimento do convênio.

Segundo Cezar Schirmer, é possível que no encontro com Serraglio também seja anunciado o município que receberá a Penitenciária Federal de Segurança Máxima, com capacidade para 200 presos, e prevista para ser construída a partir do segundo semestre. Ao custo de R$ 40 milhões, recursos exclusivos da União, a casa prisional receberá apenas presos oriundos de outros estados.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS