Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Vida na colônia

A comédia e os dramas da imigração alemã são retratados em peça

Novo espetáculo da Curto Arte ocorre na sequência do sucesso de Esperando o Thiltapes

Curto Arte/Divulgação
Retorno: Esperando o Thiltapes ficou em cartaz de 2007 a 2016
A turma da Curto Arte lançará em maio um novo espetáculo na sequência do sucesso de Esperando o Thiltapes, peça que permaneceu em cartaz de 2007 a 2016. O novo texto, que foi elaborado pelo ator e diretor Beto Klein no começo do ano passado vai explorar novamente elementos da imigração alemã na região na trama de Thiltapes e a Caçada Final. Klein volta a interpretar Edwino, acompanhado de Cristiano Schenkel (Miro) e Odair Weisheit (Nene), retratando a dura vida dos imigrantes e entrando em uma caçada com um final surpreendente.

“Vamos estrear o novo espetáculo no Vale do Sinos que trata de um folclore alemão, que era uma brincadeira de caçada que os imigrantes faziam com um animal. E eu fiz um texto que também relaciona com as dificuldades de viver com a plantação da batata feita pelos imigrantes”, explica o diretor Beto Klein.

O espetáculo terá a estreia da nova versão no próximo dia 10 de maio, em Estância Velha, na Sociedade Canto Lyra, e no dia 11 de maio na Sociedade Harmonia, em Ivoti, sempre às 20 horas. No dia 16, seguirá para Picada Café.

A comédia e os dramas da imigração alemã

A nova peça ainda aborda as lutas de personagens no seu dia a dia e as decisões que eles devem tomar. Edwino decide continuar na colônia e, com o pai, aposta na diversificação da plantação, buscando apoio em uma cooperativa de crédito. Nene começa a juntar dinheiro para estudar na cidade e Miro, que vê sua infância mudando com a saída de amigos da colônia, pensa em voltar a estudar. “É um espetáculo voltado para toda a família. É uma comédia, mas também é um drama por abordar essa dificuldade dos agricultores da época”, comenta o diretor.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS