Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Em entrevista

Papa Francisco pede que mundo 'detenha os senhores da guerra'

Pontífice afirmou que vive uma Semana Santa com sentimento de dor após os atentados contra igrejas no Egito

Agência Lusa/EPA/Pool/Alessandro Di Meo/Direitos Reservados
Segundo o papa, a violência não é a cura para um mundo destroçado
O papa Francisco voltou a pedir nesta quinta-feira (13) ao mundo que "detenha os senhores da guerra", os únicos "que lucram com a violência e a guerra". 

Em uma entrevista ao jornal italiano La Repubblica, o pontífice argentino reiterou em plena Semana Santa o seu apelo para a paz em um mundo marcado por conflitos e guerras.

"Acredito que o pecado hoje em dia manifesta-se com toda a sua força de destruição nas guerras, nas várias formas de violência e abusos, no abandono dos mais frágeis", disse ele. "E aqueles que pagam são sempre esses últimos, os desarmados", afirmou Francisco.

O pontífice reconheceu que vive esta Semana Santa com um particular sentimento de dor, especialmente após os atentados no Domingo de Ramos no Egito contra duas igrejas coptas cristãs, que mataram 45 pessoas. "Sinto que devo pedir com mais força pela paz neste mundo submetido aos desmandos dos traficantes de armas que se beneficiam com o sangue de homens e mulheres", confessou.

Durante a entrevista, o papa afirmou que questiona continuamente o propósito destas guerras e se a violência desencadeada não acaba por beneficiar apenas "alguns senhores da guerra". "Digo e repito mais uma vez: a violência não é a cura para um mundo destroçado", ressaltou.

"Responder à violência com violência leva, na melhor das hipóteses, às migrações forçadas e ao sofrimento", recordou o pontífice argentino. "Grandes quantidades de recursos são destinados para fins militares e são subtraídos dos (fundos) para as necessidades dos jovens, famílias em dificuldades, idosos e doentes, para a grande maioria das pessoas no mundo", disse ele.

O papa teme que muitas das atuais guerras terminem por "levar à morte, física e espiritual, de muitos, se não todos". A guerra é um grande negócio, especialmente para a indústria de armas, de acordo com o Instituto SIPRI de Estocolmo, que publicou há dois anos um relatório sobre as vendas das cem maiores fabricantes de armas no mundo.

Os Estados Unidos sediam 38 dos 100 maiores fabricantes de armas. Suas vendas representam mais de metade do comércio mundial.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS