Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Cris Manfro

Como viajar

"Eu viajo muito. Perdi a conta de quantos países conheço"

Cris ManfroCris Manfro é psicóloga clínica, terapeuta de família e casal e mediadora familiar

acmanfro@terra.com.br

A primeira coisa que você precisa fazer para viajar é ousar. Ouse pensar e acredite que você pode. Se você está lendo esse artigo eu garanto: você pode! Muita gente não pensa em viajar porque acredita que isso não lhes pertence. Cresceram com a ideia de que isso é coisa para os outros, independente da suas contas bancárias, não é pra elas. Quanto mais uma viagem ao exterior. Alguns, quando tem a ideia de ousarem alguma coisa, lembram bem do pai ou da mãe dizendo: “quem vocês pensam que são”? Como que dizendo: “isso não é para vocês. Vocês não têm condições”.

O mais longe que meus pais tinham ido era até Santa Catarina para visitar parentes. Todo ano viajávamos para o mesmo lugar, mesmo roteiro, até o mesmo número de dias. Meu pai sempre dizia que outras viagens eram para os ricos. Muita gente funciona assim para veraneio. Eu amo veranear no mesmo lugar. Mas tem pessoas que fazem disso uma religião. Não ousam pensar em outro lugar, conhecer outras pessoas, como se estivessem presas. Presas ao medo de burlar regras pré impostas, de não serem capazes, de não saberem como se virar lá fora e resumem tudo isso dizendo: “eu não gosto de viajar”. “Uufa, que alívio! Agora não preciso mais pensar nisso”. Fogem da ansiedade do novo.

Também não adianta pensar em viajar e não fazer planos de ação. Eu viajo muito. Perdi a conta de quantos países conheço. Mas temos na nossa vida e em nossa casa muitos planos de ação. Onde poupar? O que cortar? Como potencializar alguns ganhos e ter um dinheirinho extra? Como organizar para que isso seja possível? E durante a viagem, que ideias podemos ter para baratear os custos? Como traçar alternativas para ser viável? E isso tudo sem que ninguém passe fome ou se prive de algo bom.

Só que isso dá muito trabalho e exige tempo, procura, preenchimento de dados para promoções, enfrentar burocracias e muita boa vontade. Mas é um trabalho prazeroso. Toda a organização já é uma viagem, já é um embarque, já é voar. Levamos em média 2 anos pensando e organizando uma viagem. Para algumas já levamos até 10 anos, como por exemplo aos 40 anos, decidi que levaria minha família nos meus 50 anos para a Disney. 10 anos de organização.

Você pode até ter milhas acumuladas para viajar em função de seus gastos em cartão, mas nunca ter se dado o trabalho de ver como isso funciona. Como computar, como aumentar suas pontuações? Como viajo a trabalho estou ficando “expert” nesse sentido e quero que você fique também. Há muitas promoções-relâmpagos, que se você ficar atento consegue viagens pela metade do preço. Porém, para isso você precisa trocar por alguns momentos o prazer imediato (coisa difícil de se fazer) pelo prazer a longo prazo. E essa é a tarefa mais difícil: dizer não a si mesmo, pensando num prazer maior lá adiante. Torço para ter incentivado e convencido vocês. Então, na sua próxima viagem me compre um postal.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS