Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Abuso

Indiana de 10 anos é autorizada a abortar após estupros

Padrasto é acusado de abusos reiterados enquanto a mãe saía para trabalhar

Indian Express/Reprodução
Mãe da menina pede que marido seja solto
Uma indiana de 10 anos, vítima de vários estupros, foi autorizada a abortar, apesar de ter vencido o prazo no qual são autorizadas as interrupções voluntárias de gravidez, anunciou a polícia nesta quarta-feira (17). A menina, a quem sua mãe deixava com frequência em casa quando ia trabalhar em obras de construção, contou ter sido vítima de estupros reiterados por parte de seu padrasto. Este último foi detido.

Quando a menina denunciou os estupros, havia vencido o prazo de 20 semanas durante o qual são autorizadas as interrupções voluntárias de gravidez. Elas são aceitas apenas caso a vida da mãe ou de seu filho corram perigo.

A justiça agiu. "O tribunal decidiu recorrer à opinião de um conselho de médicos que decidiu praticar uma interrupção voluntária da gravidez", declarou um porta-voz da polícia. A intervenção será realizada rapidamente, segundo a mesma fonte.

Nos últimos meses, várias mulheres vítimas de estupro ou de tráfico de seres humanos recorreram à principal jurisdição indiana para pedir autorização para abortar após o prazo legal. Os defensores dos direitos das mulheres militam para estender este prazo a 24 semanas, alegando que as vítimas de estupro não declaram rapidamente uma gravidez.

Segundo o jornal Indian Express, a mãe da menina deseja que o suspeito seja libertado, argumentando que ele se desculpou e que ela tem outros menores a seu cargo. "A vida da menina está destruída, mas o que vai ser dos meus outros filhos? Também tenho que pensar no seu futuro", declarou ao jornal.

A Índia tem um triste balanço em matéria de estupros. Em 2012, o estupro coletivo de uma estudante em Nova Délhi provocou indignação em nível nacional e colocou em evidência a violência sofrida pelas mulheres neste país de 1,25 bilhão de habitantes.


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS