Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Jalalabad

Ao menos dois morrem em ataque à TV pública do Afeganistão

Quatro homens invadiram o local e detonaram explosivos

NOORULLAH SHIRZADA/AFP
Homens do exército afegão cercaram a cidade de Jalalabad após ataque à rede de televisão
Homens armados atacaram nesta quarta-feira (17) a sede da rádio e televisão pública em Jalalabad, capital da instável província de Nangarhar, base de muitos combatentes rebeldes, e mataram pelo menos duas pessoas. Os tiroteios prosseguiam mais de duas horas depois do início do ataque contra a sede da Rádio e Televisão do Afeganistão (RTA), perto do quartel-general da polícia.

O porta-voz do governo provincial, Attaullah Jogyani, citou um grupo de quatro criminosos, mas o número exato ainda é incerto e a operação não foi reivindicada até o momento. "Ao menos dois civis foram assassinados e seis estão feridos. Os combates continuam", afirmou Khogyani à AFP. "Quatro criminosos entraram no edifício, dois deles detonaram explosivos presos ao corpo e os outros dois ainda resistem", explicou.

O secretário de Saúde, o médico Najibullah Kamawala, mencionou "14 feridos enviados aos hospitais" de Jalalabad.

O edifício da RTA fica diante da sede do governo provincial e do quartel-general da polícia de Jalalabad. Todas as avenidas próximas ao local foram bloqueadas.

Testemunhas afirmaram que ouviram fortes explosões. "Quando ouvi os tiros consegui escapar, mas os meus colegas continuam presos no prédio", afirmou um fotógrafo da RTA que pediu para o nome não ser revelado. "Não sabemos qual é o alvo exato, mas estamos respondendo ao ataque", disse Hazarat Hussain Mashreqiwal, porta-voz da polícia, cujo quartel fica a menos de 300 metros do local.

A imprensa pagou um preço elevado nos últimos anos de conflito. Em 2016 foram assassinados 13 jornalistas no país.

Os combatentes talibãs, que iniciaram em abril sua tradicional ofensiva de primavera, têm forte presença na província de Nangarhar, fronteiriça com o Paquistão. A região também tem a presença de extremistas do Estado Islâmico (EI), que transformaram esta região em sua base de retaguarda no Afeganistão.

Nas últimas semanas, as tropas afegãs, apoiadas pelas forças americanas, executaram várias operações para expulsar o EI da região, durante as quais perderam três homens. O Pentágono prometeu expulsar o EI do país até o fim do ano.

Em abril, a Força Aérea americana lançou a bomba convencional mais potente da história e matou 96 integrantes do EI na região. A operação, no entanto, foi criticada por muitos analistas, para quem os talibãs, e não o EI, constituem a principal ameaça para a estabilidade e a paz no Afeganistão.

Os talibãs controlam ou disputam mais da metade do território com as forças governamentais. Isto empurra a Casa Branca e a Otan a reforçar a presença das forças ocidentais, que atualmente contam com 13, 2 mil militares, incluindo 8.400 americanos.


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS