Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Ginecologia

Aparelho por radiofrequência facilita processo de rejuvenescimento vaginal

Tecnologia ficou conhecida após revelação de Khloe Kardashian

ThermiVA/Divulgação
Sessões com o aparelho duram, em média, 20 minutos
Um novo tratamento não invasivo, que usa radiofrequência, traz à luz um problema comum, mas ainda pouco discutido: as consequências da perda de firmeza na região vaginal, que ocorre especialmente entre mulheres que tiveram filhos por parto normal. Nos Estados Unidos, o assunto veio à tona com a família Kardashian, depois de Khloe Kardashian revelar que suas irmãs haviam usado o ThermiVa para reparar o alargamento vaginal ocasionado pelo parto e ainda aumentar a libido. O aparelho estimula a produção de colágeno, é uma alternativa mais confortável do que a opção cirúrgica tradicional e pode ser usado também em casos de incontinência urinária, falta de lubrificação, infecções de repetição, como candidíase, e insatisfação com a aparência dos pequenos e grandes lábios vaginais, o que influencia a autoestima. “O procedimento aumenta o fluxo sanguíneo e estimula a produção de colágeno, reavive a região vaginal”, explica o cirurgião estético ginecológico João Brito Jaenisch, do Centro Clínico do Hospital Mãe de Deus, de Porto Alegre, que trouxe a tecnologia para o Rio Grande do Sul. O procedimento é feito no próprio consultório, sem anestesia, indolor e sem pós operatório. O tratamento é dividido em três sessões de 20 minutos com intervalo de 30 dias entre cada sessão. “Os resultados começam a aparecer em três semanas”, comenta o cirurgião.

Através do aparelho é manifestada uma onda de calor de alta frequência, que se mantém em temperatura constante. “Essa é a vantagem, a temperatura não aumenta, não provoca dano ao tecido”, destaca Jaenisch. Segundo o cirurgião, o procedimento faz com que haja renovação das células na região vaginal, nestes casos em que estão com bastante deficiência sanguínea e de oxigênio.

Já utilizado nos Estados Unidos, Europa e Ásia, o ThermiVA foi desenvolvido pelo médio norte-americano Red Alinsod, pioneiro em vários tratamentos ginecológicos, principalmente aqueles que aliam a preocupação funcional com a questão estética.

Divulgação/Divulgação/Divulgação
Jaenisch e o doutor Alinsod


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS