Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Contra as reformas

Confira o que pode parar nesta sexta-feira de greve geral

Bancários, professores e metroviários já aderiram à paralisação

Juarez Machado/GES
Na greve geral do dia 28 de abril, metroviários também pararam as atividades

Centrais sindicais convocam para sexta-feira (30) mais uma greve geral contra as reformas trabalhista e da Previdência. O movimento pede ainda o afastamento do presidente Michel Temer.

Já confirmaram paralisação dos serviços os bancários, metroviários e professores.  “Avisamos que o Brasil vai parar na próxima sexta-feira para enterrar essas reformas e apontar que a saída para a crise é a realização de eleições diretas já”, afirmou o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo.

Trens

Os metroviários decidiram aderir ao movimento. Com isso, os trens não circularão durante todo o dia, segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários e Conexas do RS (Sindimetrô/RS), Luis Henrique Chagas.

A categoria paralisará também pelo reajuste salarial. Segundo o Sindimetrô, a Trensurb aceitou renovar os benefícios sociais, contudo não há proposta de reajuste. A categoria exige a reposição da inflação medida pelo IPCA, que é de 4,08%.

Na tarde de quinta-feira (29), a Trensurb conseguiu uma liminar na Justiça do Trabalho que determina o funcionamento do metrô nos horários de pico desta sexta-feira (30), ou seja das 5h30 às 8h30 e das 17h30 às 20h30. Fixa ainda multa de R$ 15 mil ao Sindimetrô-RS por horário de pico não atendido.

Na paralisação do dia 28 de abril, a Trensurb também havia conseguido a liminar, contudo os trens não operaram.

Ônibus na região

O Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Coletivo da Região Metropolitana (Sindimetropolitano), por meio de seu presidente, Mauro Santos, relata que o órgão se não vai aderir à greve. “A princípio nós deliberamos pelo movimento na rua. Vamos fazer manifestação em Porto Alegre, em torno das 7 horas. Mas ficou decidido por não pararmos as garagens”, pontua.

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Urbanos de Novo Hamburgo, Lauri Finotti também informa que não há nada da entidade organizado para a greve. A Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) indica que a determinação é de que todos trabalhem, a não ser que haja piquete na frente das garagens. Até o momento, nenhuma empresa entrou em contato com a Metroplan para noticiar sobre parada. A orientação da Diretoria de Transporte da Prefeitura de Novo Hamburgo para as empresas de ônibus, da mesma maneira, é de que os coletivos circulem normalmente.

Em Novo Hamburgo, a Viação Futura afirma que não há orientação de paralisação. A Citral, que liga o Vale do Paranhana a Novo Hamburgo, também diz que o serviço ocorre normalmente. Em São Leopoldo, as empresas de ônibus devem manter o serviço, bem como a Sociedade de Ônibus Capivarense (Socaltur), que realiza linhas intermunicipais entre Ivoti, Estância Velha, Novo Hamburgo, Lindolfo Collor, Presidente Lucena e São Leopoldo.

Escolas municipais

O Sindicato dos Professores Municipais de Novo Hamburgo (SindiProfNH) deliberou pela mobilização nos locais de trabalho. Não haverá paralisação, mas outras propostas, como a confecção de cartazes e o traje de roupas pretas. A Secretaria de Educação (Smed) explica que os gestores das Escolas Municipais de Novo Hamburgo têm autonomia para gerenciar a situação em cada instituição, mediante compensação de jornada, com as devidas orientações aos estudantes e comunidade escolar. O calendário letivo não será prejudicado.

Escolas estaduais

O 14° Núcleo do Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul (Cpers), que contempla as instituições da região, comunica que várias escolas farão a paralisação e que é necessário conferir as situações individualmente. O vice-diretor do Núcleo, Júlio César Pires de Jesus, ressalta: “Participaremos das atividades da nossa região”.

Conforme a titular da 2ª Coordenadoria Regional de Educação (2ª CRE), Helenise Juchem, o expediente segue de acordo com os outros dias da semana. “Nós vamos trabalhar. É um dia letivo como os outros. Não temos posição do Estado até o momento e apenas uma escola informou que precisa parar, que é do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Novo Hamburgo, devido a uma situação atípica, que ela precisa dos monitores para funcionar e muitos são de fora”, explica.

Escolas particulares

Com 67% de votos favoráveis em questionário sobre participação na greve, o Sindicato dos Professores do Ensino Privado do RS orienta os professores para a adesão coletiva, por local de trabalho, para a paralisação. Caso isso não seja possível, o Sinpro/RS pede que cada professor se integre a esse ato de protesto não trabalhando e se somando às atividades públicas que estarão sendo realizadas.

A instrução do Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinepe/RS) é para que as instituições de ensino avaliem as condições de sua localidade para decidir sobre o seu funcionamento ou não. O Sindicato salienta o compromisso com o cumprimento do calendário escolar e dos dias letivos

Bancos

Em nota, o Sindicato dos Bancários de Novo Hamburgo avisou os usuários de seus serviços e a população em geral que os empregados pertencentes à categoria bancária decidiram paralisar suas atividades. Da mesma forma, o Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região (SindBancários) aprovou a participação na greve. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) esclarece que os bancos oferecem uma gama de canais alternativos para realização de operações bancárias, como o internet banking, mobile banking e caixas eletrônicos.

Polícia

Todos os policiais civis de Porto Alegre e região metropolitana estão sendo chamados pelo Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Policia do Rio Grande do Sul para um dia de manifestação e mobilização. A concentração acontecerá em frente ao Palácio da Polícia, na Avenida Ipiranga, em Porto Alegre, a partir das 10 horas. O Sindicato ainda orienta os policiais civis das cidades do interior do Estado a se incorporarem nos atos que estão sendo convocados pelas entidades sindicais em várias cidades gaúchas.

Comércio

O Sindicato dos Empregados no Comércio de Novo Hamburgo relata que apoia toda manifestação contra as reformas propostas pelo governo. A orientação repassada é de que cada trabalhador se sinta livre para decidir se participa, ou não, da greve.

O Sindicato do Comércio Varejista de Novo Hamburgo, Campo Bom, Sapiranga, Araricá e Nova Hartz (Sindilojas-NH) informa que não apoia a greve geral convocada e instrui a todos os associados de sua base a abrir normalmente os estabelecimentos.

A Câmara de Dirigentes Logistas hamburguense (CDL-NH) se posiciona 'fortemente' contrária à greve. “Ela não agrega nada em uma economia que já está prejudicada. Então nossa orientação é de que o comércio funcione normalmente”, resume o presidente da entidade, Gilberto Kasper.

A Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul e Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo também orientam ao funcionamento normal do comércio.

Saiba mais

O quê: Greve geral dos trabalhadores;

Quando: Sexta, dia 30

Contra: as reformas da Previdência e Trabalhista e pela saída do presidente Michel Temer

Quem já aderiu: professores da rede estadual em Porto Alegre, metroviários, bancários da capital e região metropolitana, metalúrgicos e técnicos científicos do Estado;

Quem ainda vai decidir: rodoviários da capital, região metropolitana e Vale do Sinos, que se reúnem na próxima quinta, em Porto Alegre. Porém, tendência é de adesão;

Quem está chamando: Central Única dos Trabalhadores (Cut), Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e Nova Central Sindical de Trabalhadores.


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS