Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Educação

Governo anuncia 100 mil vagas a juro zero para Fies em 2018

Programa terá três modalidades e poderá ter juro zero para até 3 salários mínimos per capita mensal

O presidente Michel Temer e o ministro da Educação, Mendonça Filho, anunciaram nesta quinta-feira (6), as novas regras do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Na mesma cerimônia, foram anunciadas a abertura de 75 mil novas vagas para o segundo semestre, totalizando 300 mil contratos novos durante a gestão Temer. No total, serão 225 mil novas vagas em 2017.

Mendonça Filho explicou que no novo Fies haverá mais opções de financiamento para os estudantes. Na modalidade 1, o novo Fies garante 100 mil vagas a partir de 2018, com juro zero para até 3 salários mínimos per capita mensal. "Somente haverá a correção pela inflação nessa modalidade. É algo inovador, ousado e importante", afirmou. Nesta modalidade, o estudante pagará uma parcela máxima de 10% de sua renda mensal. Outros pontos de corte serão a pontuação mínima de 450 pontos e nota na redação acima de zero no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A modalidade 2 do novo Fies é a regional. O governo irá garantir 150 mil novas vagas a um custo final de juros de até 3% ao ano, para até 5 salários mínimos per capita mensal. Segundo o ministro da Educação, as menores taxas de acesso ao ensino superior estão no Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Na modalidade 3, serão 60 mil vagas por ano, com juros baixos para até 5 salários mínimos per capita mensal.

A medida, segundo o governo, é uma forma de viabilizar o programa que possui um índice de inadimplência que gira em torno de 46%. "Agora as instituições de ensino superior privadas serão sócias também da inadimplência, elas terão que zelar por cada real emprestado, e se por acaso a inadimplência aumentar, elas terão que aportar mais recursos no fundo garantidor", disse o ministro durante o anúncio do Novo Fies.


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS