Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
9 anos e meio

'A única prova que existe é da minha inocência'', diz Lula após sentença

Lula voltou a afirmar que o tríplex não lhe pertence e que pretende ser pré-candidato

Facebook/Reprodução
Lula fez um pronunciamento nesta quinta-feira
Na manhã desta quinta-feira (13), o ex-presidente Lula se pronunciou pela primeira vez após a sentença do juiz Sérgio Moro, que o condenou a 9 anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No pronunciamento, disse ter previsto o acontecimento e citou um artigo que escreveu em outubro do ano passado: "Meus acusadores sabem que não roubei, não fui corrompido e não obstruí a justiça, mas não podem admitir. Tornaram-se prisioneiros das mentiras que criaram. Estão condenados a me condenar", leu. 

Lula voltou a dizer que o tríplex não lhe pertence e afirmou que não há provas contra ele. "A única prova que existe nesse processo é a prova da minha inocência", declarou. "Vamos recorrer em todas as instâncias. Acho inclusive que temos que processar essa sentença no Conselho Nacional de Justiça, abrir um processo contra quem mentir, contra quem não falar a verdade nesse País", acrescentou. "Se alguém pensa que, com essa sentença, me tiraram do jogo, podem saber que eu estou no jogo. Vou reivindicar do PT para me colocar como postulante à candidatura. Se alguém pensa que é o fim do Lula, vão quebrar a cara". 

Ele ainda criticou a imprensa e afirmou que os delatores foram coagidos a acusá-lo. "Léo Pinheiro está há mais de dois anos preso, insistentemente disse não, mas está condenado a 23 anos de cadeia. O cara pensa 'o que que eu tenho que falar?'. Assim foi com Léo, assim foi com outros". Lula chamou a decisão de Moro de "decisão política" e afirmou que, inicialmente, pensou que o processo seria recusado. "Depois que o processo foi aceito eu pensei 'há um jogo a ser jogado neste País'". A história é quem vai dizer quem tá certo e quem tá errado". 

A sentença

Os advogados do ex-presidente informaram que pretendem recorrer em todas as cortes imparciais, "incluindo as Nações Unidas". Lula, aos 71 anos, foi acusado de ter recebido um apartamento triplex no Guarujá da construtora OAS em troca de sua influência para obter contratos na Petrobras, e do pagamento das custas por parte da mesma empresa do armazenamento de seus bens. 

Moro determinou o confisco do imóvel e assinalou que Lula foi o destinatário de 3,7 milhões de reais de forma ilícita. Na sentença, Moro também proibiu Lula de exercer cargos públicos por 19 anos, decisão que poderá ser confirmada ou rejeitada na segunda instância.

O ex-presidente poderá recorrer da sentença em liberdade. Nesta quinta, o desembargador Carlos Eduardo Thompson, presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), afirmou que o processo estará julgado em segunda instância até agosto de 2018, antes da eleição presidencial.


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS