Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Lava Jato

Acesso a notebook de Marcelo Odebrecht expõe briga entre PF e Promotoria

Empresário diz que senha é gerada por token, mas não sabe onde dispositivo está

AFP/AFP/Reprodução
Marcelo Odebrecht presta depoimento

A senha para o notebook de Marcelo Odebrecht abriu mais um capítulo no embate entre Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF) sobre quem deve participar dos acordos de delação premiada. Em despacho anexado na segunda-feira (7) em um dos processos contra o herdeiro da construtora, a delegada da PF Renata da Silva Rodrigues criticou a Procuradoria-Geral da República (PGR) por não ter exigido que Marcelo entregasse a senha do computador antes de assinar a colaboração com a Justiça.

O impasse começou em 3 agosto. Em documento assinado pelo procurador Deltan Dallagnol, o MPF reclama que o notebook de Marcelo ainda não foi analisado pela PF e solicita que o empresário seja intimado a fornecer a senha para que os policiais possam procurar, no computador, provas dos crimes admitidos por Marcelo em seu acordo de delação. No dia seguinte, o delator informou aos policiais que não poderia fornecer a senha, gerada por meio de dois tokens eletrônico, que mudam a combinação a cada acesso. Ele afirmou que não sabe o paradeiro dos dispositivos.

Em depoimento à delegada Renata na última sexta-feira, Marcelo relatou que desde agosto do ano passado, quando começou a negociar sua delação com a PGR, informou aos procuradores que era necessário encontrar os tokens para poder acessar os dados do notebook. Os advogados teriam informado a Marcelo que "o acesso ao laptop seria solicitado pelo MPF à PF, dada a circunstância de que a PF não estava participando do acordo, e que não seria adequado aos advogados solicitar diretamente à PF por conta do sigilo".

Após ouvir Marcelo, a delegada Renata respondeu ao pedido de Dellagnol com uma crítica: "Preocupante para as investigações que a obtenção de evidências contidas no laptop de Marcelo, e que teria sido por ele supostamente indicado à PGR como importante fonte de prova (contendo inclusive seus e-mails), não tenha sido exigida como condição sine qua non para qualquer acordo - de colaboração ou leniência, especialmente porquanto possa revelar novos fatos delitivos, ou mesmo contrariar fatos reportados pelos colaboradores (e que foram valorados para o oferecimento de benefícios)."

A PF ainda não conseguiu encontrar os tokens. Segundo Marcelo, os dois dispositivos teriam sido entregues ao Departamento Jurídico da Odebrecht em 2015, quando ele foi preso. O empresário também disse que perguntou pessoalmente aos advogados onde estaria o dispositivo, mas só ouviu respostas negativas. Ele relatou que "não mantém relações com os aludidos advogados, tendo desistido de obter a localização do token", segundo o que está escrito em seu depoimento. Por fim, Marcelo quis deixar claro que mencionou o problema em várias reuniões com a PGR e que teme que o problema prejudique a "efetividade da sua colaboração".


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS