Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Lava Jato

Desembargadores negam pedido de liberdade feito por Vaccari

Ex-tesoureiro do PT foi absolvido em um processo, mas responde a outros quatro

Marcelo Camargo/Agência Brasil
João Vaccari Neto, tesoureiro do PT

Os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), a segunda instância da Lava Jato, negaram nesta quarta-feira um pedido de liberdade feito pelo ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. Em junho, o TRF-4 mudou uma das cinco condenações feitas pelo juiz Sergio Moro e absolveu o petista de uma acusação de corrupção. A defesa dele pediu, então, que ele fosse solto.

O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator das ações da Lava Jato no TRF-4, afirmou que, embora tenha sido absolvido por falta de provas em um dos processos, Vaccari tem pedidos de prisão nas outras ações a que responde na Lava Jato. Em 27 de junho, os desembargadores Victor Luiz dos Santos Laus e Leandro Paulsen entenderam que os delatores que citavam Vaccari não forneceram provas do que falaram.

Após saber da decisão, o advogado Luiz Flávio Borges D?Urso, que representa o ex-tesoureiro, afirmou que a prisão preventiva, "que já dura dois anos e quatro meses, é totalmente desnecessária e injusta". Segundo D'Urso, seu cliente ainda será inocentado ao final dos processos.

"Nunca é demais lembrar, que a regra vigente em nossa lei e no nosso sistema criminal, é de que a prisão preventiva é exceção, devendo o acusado responder o seu processo em liberdade. Dessa forma, só pode ser admitida a prisão preventiva se houver elementos que a tornem indispensável, no interesse do processo, nada tendo esta prisão com a culpa do acusado", escreveu D'Urso, alegando que Vaccari deveria aguardar, em liberdade, o julgamento dos recursos dos outras quatro ações penais.


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS