Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Caso em Porto Alegre

Exército terá que indenizar ex-militar por tortura

Corte diminuiu o valor de R$ 352 mil para R$ 100 mil

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmou, na última semana, indenização por danos morais a um ex-soldado que sofreu tortura quando serviu ao Exército Brasileiro, em Porto Alegre. A corte, entretanto, diminuiu o valor de R$ 352 mil para R$ 100 mil, baseada nos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade.

O homem, que na época era soldado, relata que foi torturado por acreditarem que ele fumava e vendia maconha nas dependências do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR). Após a descoberta do verdadeiro culpado, ele conta que teve que pedir para sair e levou consigo o Certificado de Reservista de 1º categoria e uma carta de recomendação.

O ex- soldado então ajuizou ação na 3ª Vara Federal da capital gaúcha, pedindo indenização por danos morais e materiais, anulação de seu licenciamento, reconhecimento da sua incapacidade definitiva para as atividades militares, com a conseqüente reintegração e posterior reforma com remuneração integral.

O pedido foi julgado parcialmente procedente e a União recorreu ao TRF4, alegando que o montante deferido a título de reparação por danos morais superava os valores normalmente arbitrados para a espécie, não refletindo a extensão dos danos sofridos.

A relatora do caso, desembargadora federal Vânia Hack de Almeida, deu provimento à apelação da União e decidiu diminuir o valor para R$ 100 mil. “Deve ser o necessário e suficiente para proporcionar a recomposição moral do ofendido em sua integralidade, cumprindo sua função compensatória, além, é claro, de objetivar a inibição da ocorrência deste tipo de problema nas fileiras do Exército, evitando-se, com isso, que situações análogas voltem a ocorrer em atendimento ao caráter punitivo e profilático da indenização. Dentro desta ótica, a quantia de R$ 100 mil atende aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade”.


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS