Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Caso de polícia

Professores da região procuram delegacias para denunciar parcelamento de salários

"Os 350 reais não pagam nem a metade do meu aluguel", diz professora de Novo Hamburgo

Adriana Lima/GES-Especial
Em Novo Hamburgo, professores procuraram a DPPA na tarde desta terça-feira (5)
Os professores e funcionários de escolas do Estado estão denunciando, através de boletins de ocorrência em delegacias, o parcelamento dos salários. Eles alegam também que o governador José Ivo Sartori está descumprindo o artigo 35 da Constituição Estadual, que diz que "o pagamento da remuneração mensal dos servidores públicos do Estado e das autarquias será realizado até o último dia útil do mês do trabalho prestado". Até o momento, o funcionalismo estadual recebeu 350 reais quatro dias após o previsto na lei.

Nesta terça-feira (5) o sindicato da categoria anunciou ainda o início da quarta greve do governo Sartori.

Em Novo Hamburgo

A professora de séries iniciais da Escola Leopoldo Petry Mara da Silva de Azevedo, 44 anos, esteve na Delegacia de Polícia Civil de Pronto Atendimento (DPPA). Lá ela registrou uma ocorrência contra o Estado pelo não pagamento integral do seu salário. “Os 350 reais não pagam nem a metade do meu aluguel. Na sexta-feira eu até chorei em sala de aula quando contei aos meus alunos o que estava acontecendo”, recorda.

Na parte da tarde, pelo menos mais 12 docentes procuraram a Polícia em Novo Hamburgo para fazer o mesmo procedimento. São professores dos colégios 25 de Julho, Senador Alberto Pasqualini e Antônio Borges de Medeiros. Conforme Karem Medeiros Rodrigues, a sociedade precisa compreender que além de formar pessoas, os professores são pais, filhos e irmãos. "Quando falta o nosso salário, vai faltar o dinheiro do mercado, vai faltar dinheiro para honrar com os compromissos de toda a família", salientou.

Pelo Estado

Educadores registraram o parcelamento em MontenegroSegundo o Cpers Sindicato, na última segunda-feira (04), os educadores de diversas escolas de Porto Alegre reuniram-se em frente ao Colégio Júlio de Castilhos e seguiram até a 1º DP, no Palácio da Policia, onde também foram registrados os boletins de ocorrência.

Em Osório, no litoral norte, os educadores também registraram o parcelamento na delegacia de Torres. Na última sexta-feira (1º) os registros foram feitos também na delegacia de Capão da Canoa. Em Montenegro, no Vale do Caí, os educadores registraram o parcelamento na manhã de ontem.


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS