Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Economia

PIB gaúcho cresceu 2,5% no segundo trimestre deste ano

Nos primeiros seis meses do ano, aumento foi de 2,1%

Amilton Belmonte/GES-Especial
Pesquisadores da Fundação de Economia e Estatística (Fee) apresentaram o PIB gaúcho

Em meio ao momento de turbulência política nacional as boas notícias precisam ser saudadas. E elas vêm da economia, mais precisamente de um indicador essencial à produção, desenvolvimento e empregabilidade: o Produto Interno Bruto (PIB), ou a soma das riquezas produzidas pelos diferentes setores. No Rio Grande do Sul ele foi positivo em três variáveis.

No comparativo com igual período do ano passado, a soma do primeiro semestre mostrou a elevação do PIB em 2,1%, com 2,5% no segundo trimestre. Se comparado o segundo trimestre aos três primeiros meses do ano, a alta foi de 0,7%. Resultados que permitem olhar para o horizonte do curto e médio prazo com um pouco mais de esperança no descolamento da economia das tsunamis políticas e que foram revelados nesta quarta-feira, em Porto Alegre, pela equipe de pesquisadores do Núcleo de Contas Regionais (NCR), da Fundação de Economia e Estatística (Fee).

A principal influência no desempenho positivo do PIB gaúcho veio da agropecuária, que cresceu 11,7% no semestre. Entretanto, outros dois setores também ajudaram a fazer a diferença, ainda mais se comparados aos números brasileiros. “O diferencial foi o desempenho do comércio no setor dos serviços e da indústria de transformação no setor da indústria, significativamente superior ao desempenho nacional nessas áreas”, destacou o coordenador do NCR, economista Roberto Rocha, exaltando os 1,9% positivos da indústria de transformação e o 1,3% do comércio, ante o 0,0% do País nos dois segmentos.

Durante a divulgação do PIB, a Fee também apresentou a ferramenta digital PIBVis, novo aplicativo do Visualiza Fee, com os dados completos do indicador disponíveis no site da Fundação.


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS