Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Jairo Schmidt

Educação ambiental como disciplina

Leia artigo de Jairo Schmidt
12/10/2017 12:00

Jairo SchmidtCom co-autoria de Gabriel Gabrowski e Vanessa dos Santos, professores da Feevale

A Política Nacional de Educação Ambiental regulamenta estas práticas e orienta “a prática educativa integrada, contínua e permanente em todos os níveis de ensino”. Objetiva-se uma ação transdisciplinar que “não deve ser implantada como disciplina específica no currículo”. O Projeto de Lei 221/ 2015, tramitando no Senado, prevê sérias alterações na Política, como a obrigatoriedade de uma disciplina específica de Educação Ambiental. Se, por um lado, a proposta garante que mais estudantes sejam atendidos pelas práticas educativas, por outro, educadores sinalizam prejuízos: demandas do sistema de ensino (recursos humanos e financeiros, infraestrutura), formação e envolvimento docente e a carga horária disponível.

Embora análises prévias apontam atrativos na proposta, é importante considerar como as ações educativas se desenvolvem. Existem espaços educadores que promovem ações permanentes, sem disciplina específica, como a Rede de Ensino de Novo Hamburgo, que desenvolve ações por meio do Coletivo Educador Ambiental, recebendo formação e socializando experiências.

Resultados preliminares de pesquisa em andamento na Rede demonstraram a inserção da educação ambiental de forma sólida e sistemática. Entre as práticas destacam-se: projetos, grupos estudantis, espaços ambientais dentro das escolas. Os temas “resíduos”, “interação criança e natureza”, “cultivo na escola” e “melhorias internas” são os mais frequentes. Porém, cada escola realiza as ações de acordo com sua realidade, e os docentes possuem autonomia para desenvolver atividades conforme suas possibilidades, espaços e contextos.

Embora uma análise inicial da proposta pareça atrativa, é necessário cautela nesta decisão. Introduzir o viés ambiental no currículo de forma obrigatória pode reduzir a transversalidade. A Rede de Novo Hamburgo demonstra que o tema pode ser incluído no cotidiano escolar sem a obrigatoriedade de disciplina específica.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS