Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Comércio

Lojistas projetam crescimento de até 5% nas vendas do Dia da Criança

Data inicia período que costuma ser próspero para o comércio, que ainda terá Natal e ano-novo
07/10/2017 06:00 07/10/2017 08:51

Fábio Radke/GES-Especial
Sonho de consumo: Rafaela, Guilherme e Henrique ajudam a movimentar o comércio no período
O último trimestre do ano sempre é marcado por datas importantes para recuperação de negócios. Outubro, considerado o segundo melhor mês do ano no varejo, muito em função do Dia das Crianças, abre a série de datas festivas aguardadas pelo comércio. O otimismo dos lojistas e varejistas em relação à data destinada à criançada é reforçado por projeções de crescimento entre 3% e 5% na região neste ano, em relação ao mesmo período de 2016.

Já no Estado, a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS) estima que o volume de vendas nas lojas de brinquedos aumente em 6%, com um ticket médio no valor de 100 reais.

Pesquisas de outras entidades também animam aqueles que dependem da melhora na economia em todo o País. O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontam em estudo que 75% dos brasileiros devem ir às compras no Dia das Crianças. A data deve movimentar em torno de R$ 9,7 bilhões no comércio brasileiro.

Reação

Conforme a economista e professora da Universidade Feevale Katia Isse, a economia brasileira está apresentando reação após um longo período de recessão. “Começamos a ter sinais de reação a partir de uma série de medidas por parte do governo. As taxas de juros e inflação já estão mais estáveis e temos um grande número de vagas de emprego em abertas”, analisa. Mesmo com vendas em proporção inferior ao Natal e ano-novo, o Dia das Crianças também costuma movimentar o comércio. “Não somente brinquedos são adquiridos, outros produtos, como, peças de vestuário e calçados também têm procura”, lembra Katia. Estudo da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS) reforça a tese da economista. Este mês, a procura por artigos de uso pessoal (inclui brinquedos) deve ter alta de 14,5% e vestuário e calçados, 14%.

Saber negociar

A economista Katia Isse dá dicas importantes para que não tenha choro na hora da aquisição do presente. “A criança, muitas vezes, não tem noção do que é importante ou acessível para as famílias manterem o orçamento em dia. E para a data não passar em branco, os pais devem conversar e estipular um limite de valor. A diferença de preços e a vida útil devem ser observadas e mesmo feiras e brechós podem ser alternativas para compra do presente”, sugere Katia.

A assistente administrativa Ana Cristina Costa, de 41 anos, mãe de quatro filhos, reconhece que é necessário diálogo com os pequenos quando o assunto é Dia das Crianças. “Na loja de brinquedos já pedem e falam o que gostariam de ter. Como são quatro, muitas vezes, compramos algo similar daquilo que demonstram interesse, mas sempre do agrado e gosto deles”, explica. Os filhos Rafaela e os gêmeos Guilherme e Henrique acompanharam ontem a mãe na ida a uma loja infantil, quando deram várias dicas.

A exemplo das projeções de economistas e institutos de pesquisas, a gerente de loja de brinquedos Letícia de Moraes projeta em aumento nas vendas nessa data. “Nossa estimativa é de um acréscimo de 7% em relação ao último Dia das Crianças.”

Projeções das pesquisas

Um estudo por parte do Serasa Consumidor apresenta uma porcentagem mais tímida de brasileiros que devem adquirir presentes, se comparado ao estudo do SPC Brasil, mas ainda assim com números expressivos. O percentual ficou em 56%. Deste total, em torno de 72% devem pagar à vista, 26% farão o pagamento a prazo e 2% não souberam dizer. O levantamento ainda constatou que 45% desejam comprar brinquedos, 23% devem optar por roupas, calçados e acessórios, 12% algum passeio, 8% jogos eletrônicos, 2% um item qualquer (perfume, doce, livro, etc) e 2% não souberam opinar. Foram 3.670 pessoas ouvidas em todo o País, entre 27 de setembro e 3 de outubro.

Já a Pesquisa Hábitos de Consumo da Boa Vista SCPC, que entrevistou 1,1 mil pessoas em todo o Brasil, indica que os gastos para a data mais aguardada pelos baixinhos devem ser menores esse ano. Os principais motivos seriam o aumento dos preços e a contenção de despesas - 57% disseram que gastarão menos ou a mesma quantia do ano passado na compra do presente e 40% decidirão o presente em função do preço.

Opções de presentes não faltam

Entre as opções de brinquedos para crianças de 5 a 12 anos, segundo pesquisa da FCDL, a procura maior será por hand-spinner, bonecos em miniatura (tipo Shopkins), bonecas, carros articulados (com ou sem controle remoto) e os tradicionais jogos. Sobre pagamentos, estudo da SPC Brasil indica que a maior parcela da população deve pagar os produtos à vista (61%) e somente adquirir um único presente (44%). Já o cartão de crédito será a opção de pagamento de 21% dos consumidores.

Pela região

NOVO HAMBURGO
CDL - O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Gilberto Kasper, estima aumento de 5% nas vendas em outubro na comparação com mesmo período do ano passado. “É um mês atípico em Novo Hamburgo, em função da Feira da Loucura por Sapatos. O crescimento será maior para quem está na feira do que o consumo nas ruas”, acredita. Kasper destaca ainda que os lojistas que atuam no segmento voltado ao público infantil devem comemorar crescimento um pouco maior.

Sindilojas - Já o presidente do Sindicato do Comércio Varejistas de Novo Hamburgo (Sindilojas-NH), Remi Scheffler, entende que o comércio varejista voltou a fazer as pazes com o otimismo. “Recebemos um estudo que este trimestre será o melhor dos últimos treze trimestres. É lógico que essa melhora será em doses homeopáticas. No Dia das Crianças esperamos aumento de 3 a 4%”, projeta. Ele reconhece que o Dia das Crianças é uma data específica e que, de fato, o crescimento expressivo do consumo será no período de Natal.

CAMPO BOM
CDL - Segundo a secretária executiva da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Campo Bom, Daiane Silva, de fato, em outubro, há aumento de vendas em razão do Dia das Crianças. “Os lojistas se preparam muito e têm várias expectativas em meio ao cenário econômico mais positivo para esse período de final de ano”, analisa. Uma campanha institucional da entidade está arrecadando brinquedos e deve levar em torno de 200 crianças do Lar Colmeia e projeto Criança Cidadã ao cinema, nos próximos dias 9 e 10.

ESTÂNCIA VELHA E IVOTI
CDL - Conforme o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) dos municípios de Estância Velha e Ivoti, Rogério Erhart, existe uma percepção por parte dos lojistas de que as vendas nesta época do ano aumentem em até 6% na comparação com igual período no ano passado. Já a previsão do ticket médio de compra para a data aponta em torno de 100 reais. A entidade avalia ainda que existe a crença na melhora e que há mais ânimo por parte dos associados quanto às vendas nesse período de final de ano.

TAQUARA
Sindilojas - Para a secretária executiva do Sindicato do Comércio Varejistas Vale do Paranhana (Sindilojas), Sonia Bohnen, mesmo com a reação lenta do mercado, a expectativa dos lojistas é positiva em relação às vendas no Dia das Crianças. “Temos pesquisas que projetam que esse será um dos melhores dos últimos quatro anos”, aponta. Ainda segundo ela, não estão sendo desenvolvidas campanhas por parte da entidade para essa data, somente ações individuais de alguns associados.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS