Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Novela

Obra da ponte da Avenida dos Municípios está há dois meses parada

Prazo formal para a conclusão da ponte é maio de 2018
07/11/2017 05:00 07/11/2017 11:18


Juarez Machado/GES
Placa no local onde deve ser construída a ponte da Avenida dos Municípios prevê conclusão da obra em seis meses

Na placa fixada no canteiro de obras, o prazo é específico: a lendária ponte da Avenida dos Municípios, no bairro Canudos, em Novo Hamburgo, deve ficar pronta em 13 de maio de 2018. O cenário que acompanha o letreiro, entretanto, faz com que a previsão seja desacreditada, uma vez mais. Além dos contêineres cercados, não havia uma máquina ou operário sequer atuando no local nesta segunda-feira (6) - veja o vídeo abaixo.

Juarez Machado/Juarez Machado/GES
Placa no local onde deve ser construída a ponte da Avenida dos Municípios indica prazo que não deve ser cumprido
A partir de hoje (7), seriam 186 dias para a conclusão dentro do prazo, algo que parece irreal tendo em vista que a obra está paralisada desde 1º de setembro. Informalmente, funcionários da EPT Engenharia afirmaram que aguardam a liberação da máquina que fará a perfuração do solo, a partir do projeto que foi refeito. A proposta inicial previa um limite de perfuração inferior ao que foi encontrado, o que fez com que o estaqueamento precisasse ser reelaborado. A gerência da empresa não retornou os contatos da reportagem para esclarecer a razão da suspensão dos trabalhos.

A construção da ponte sobre o Arroio Pampa foi aprovada há quase três décadas, para ser a ligação entre Sapiranga e Novo Hamburgo, passando por Campo Bom e facilitando o acesso também a São Leopoldo. Uma estrutura de apenas 44 metros de comprimento.

Assembleia debaterá o imbróglio

Ocorre às 9h30 desta terça-feira, na Assembleia Legislativa, em Porto Alegre, uma audiência pública que abordará o histórico de empecilhos na obra da ponte. A proposição é do deputado estadual Lucas Redecker (PSDB) que, assim como lideranças do Vale dos Sinos, quer entender os motivos das frequentes paradas nos trabalhos. “A comunidade não aguenta mais escutar a história dessa ponte. Precisamos solucionar esse problema, pois ela é estratégica para o desenvolvimento de Novo Hamburgo, Campo Bom e municípios vizinhos”, afirma.

Juarez Machado/Juarez Machado/GES
Arroio Pampa, onde deve passar a ponte de 44 metros de comprimento ligando Novo Hamburgo a Campo Bom e Sapiranga

Saiba mais

- Desde 1989, quando o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) aprovou a criação da avenida, pelo menos em quatro oportunidades a promessa de conclusão foi feita.

- Era pra ser em 2013, depois 2014, que foi adiada para 2016, postergada novamente para este ano e, agora, a garantia é de que saia do papel em 2018.

- A ponte terá 44 metros de comprimento e 12,6 m de largura. O investimento é de R$ 1.483.218,55 milhões do Tesouro do Estado e está sob a responsabilidade da EPT Engenharia e Pesquisas Ltda.

- A ponte é importante para a região do Vale do Sinos, porque liga os municípios de Sapiranga, Campo Bom e Novo Hamburgo, além de facilitar o acesso a São Leopoldo, a partir da RS-239.

A novela em 12 capítulos

9 de janeiro de 2014 – A ordem de início da obra da ponte é assinada. No mês seguinte, a empresa responsável pela obra aguardava a disponibilização de um equipamento e ainda não havia começado os trabalhos. Quando isso foi resolvido, surge um problema na rede de alta tensão, que ocupa parte do espaço da obra e precisa ser modificada.

Abril de 2014 – É assinada a paralisação das obras, que sequer haviam iniciado.

Julho de 2014 - Em reunião promovida pela prefeitura de Novo Hamburgo, Daer e AES Sul entram em acordo e a concessionária de energia se responsabiliza pelo projeto de remoção da rede, enquanto o Daer se compromete a realizar a obra.

6 de fevereiro de 2015 – AES Sul garante envio de projeto ao Daer, mas rede de alta tensão ainda não foi alterada. O projeto só é realizado ao longo do ano de 2015.

30 de novembro de 2015 – Decisão do Tribunal de Justiça, relativa à necessidade de indenização pela desapropriação de terrenos no entorno da futura ponte, impede o andamento da obra.

Junho de 2016 – Até aqui, uma dívida de IPTU de empresa proprietária de um dos terrenos havia trancado a indenização. A quitação só foi feita em agosto de 2015, e a assinatura de escritura da desapropriação foi feita em setembro do mesmo ano.

30 de novembro de 2016 - O governador José Ivo Sartori, em solenidade com autoridades no Piratini, autoriza o Daer a dar início à construção da ponte, novamente. Trabalhadores passam a atuar na área fazendo a instalação de tapumes e contêineres.

Janeiro de 2017 - Por inconformidades no projeto, que tem de ser refeito, e a necessidade de um aditivo ao contrato inicial, o trabalho é paralisado, sofrendo novos atrasos.

11 de maio de 2017 – Obra da ponte tem custo aumentado em 23%, em razão de um aditivo ao contrato. Secretaria da Fazenda garante a liberação do valor adicional, mas as obras seguem paradas.

29 de junho de 2017 – Daer anuncia o início dos trabalhos na ponte. Na ocasião, o diretor-geral da autarquia, Rogério Uberti, diz que se trata de “uma obra de rápida execução”, com a necessidade de “poucos meses para entregá-la”.

21 de junho de 2017 – Daer publica no Diário Oficial do Estado (DOE) termo aditivo ao contrato, que reconta o prazo de entrega em função da paralisação ocorrida entre 23 de abril de 2014 e 29 de novembro de 2016. O termo final fica estabelecido em 13 de agosto e a previsão de conclusão é de seis meses a partir do início dos trabalhos. A ponte custará um total de R$ 1.483.218,75.

1º de setembro de 2017 – Por inconformidades no projeto de escavação do solo, que previa a utilização de um tipo de estacas que se mostrou incompatível, a obra é paralisada e ainda não foi retomada.



Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS