Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Uso geopolítico

China mostra navio capaz de construir ilhas

Embarcação será usada para criar ilhas artificiais em mar que sofre disputa territorial
20/11/2017 00:45 20/11/2017 00:46

Divulgação
Navio chinês Tian Kun Hao, criado para fabricar ilhas artificiais. O nome da embarcação vem de uma criatura mitológica, um peixe gigante que se transforma em pássaro
A China apresentou um enorme navio descrito com um "criador mágico de ilhas", que é a maior embarcação com capacidade de dragar na Ásia, informou a imprensa estatal. O navio, capaz de fabricar ilhas artificiais do mesmo tipo que país está criando no disputado Mar da China meridional, foi apresentado em um porto da província de Jiangsu (leste), segundo o jornal estatal China Daily.

A embarcação, que recebeu o nome Tian Kun Hao, tem capacidade de cavar 6.000 metros cúbicos por hora, o equivalente a três piscinas de medidas padrão, de acordo com o jornal. O navio é uma versão maior do modelo que a China usava para dragar areia, barro e corais para transformar recifes e pequenas ilhas do Mar da China Meridional em ilhas artificiais com capacidade de abrigar instalações militares. Após a conclusão dos testes com a embarcação, no próximo ano, o navio será o maior do tipo na Ásia, destacou o jornal, que o apelidou de "criador mágico de ilhas".

A campanha agressiva de Pequim para construir arquipélagos no Mar da China Meridional é um ponto de disputa com os países vizinhos que reclamam parte destas águas. A China reivindica praticamente todo o mar, pelo qual transitam a cada ano cinco trilhões de dólares em comércio marítimo e sob o qual há a suspeita de que existem grandes reservas de gás e petróleo.

As amplas demandas de Pequim incomodam as reivindicações do Vietnã, Filipinas, Malásia, Brunei e Taiwan. A China já havia indicado a conclusão dos projetos em uma área do mar conhecida como Spratlys. Mas o centro de pesquisas americano 'Asia Maritime Transparency Initiative' informou em agosto que Pequim prosseguia com os trabalhos em parte das águas próximas das ilhas Paracelso.



Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS