Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Educação física

Exercícios físicos são recomendados durante a gestação

Profissionais aconselham atividades para trabalhar tônus muscular, postura e sistema cardiorrespiratório
26/11/2017 22:01 26/11/2017 22:11

Gabriela da Silva/Gabriela da Silva/GES-Especial
Michele faz caminhadas e tem treinos de musculação duas vezes por semana

Grávida de oito meses da segunda filha, Rafaela, a farmacêutica Michele Gross, 37 anos, não deixa de lado a rotina de exercícios físicos que mantinha já antes mesmo da gestação. São dois treinos por semana, com musculação e atividades aeróbias, e mais caminhadas pelas ruas de Sapiranga, onde mora. “Eu nunca parei de fazer exercício físico. A médica disse que podia e continuei. Me sinto muito mais disposta, não sinto dores nas costas, dor nenhuma, na verdade, e também não tive muito inchaço”, conta. Também durante a gestação da filha mais velha, Pietra, hoje com seis anos, Michele não abandonou a academia. Voltou cerca de dois meses depois que ela nasceu, com aval médico.
Para a farmacêutica, a única diferença antes e durante a gestação é a intensidade dos exercícios que já praticava. Os movimentos foram adaptados de acordo com cada período, respeitando os limites de seu corpo. “Na gravidez, ficou mais controlado e faço com acompanhamento”, observa.

A educadora física Greice Oliveira, especialista em tratamento para populações especiais e mestre em inclusão, diz que não há contra-indicação de exercícios para gestantes, desde que, claro, não seja uma gravidez de risco ou que envolva alguma outra complicação de saúde. “Se nunca fez exercício físico, trabalhamos mais aeróbio, em benefício do sistema cardiorrespiratório”, comenta. Além disso, Greice destaca que é recomendável não fazer exercícios de impacto, como corrida, pular corda e salto, pelo menos nos três primeiros meses de gestação. “É importante trabalhar tônus muscular, reforço das costas e abdome para estar preparada para o pós-parto também, para uma recuperação melhor”, completa.

Com moderação

Segundo Greice, nos treinos para gestantes, a carga precisa ser adaptada, os pesos diminuem e aumentam as repetições. É preciso estar atento também a possíveis alterações na pressão sanguínea, além de trabalhar as atividades de forma mais moderada. “Porque às vezes podem ter uma queda ou elevação de pressão durante o exercício”, comenta a profissional.

Mas os cuidados não se restringem ao ambiente da academia. A prática de exercícios deve ter acompanhamento multidisciplinar, envolvendo médico, nutricionista e educador físico para que a gestante tenha uma rotina de atividades com qualidade. “Acima de qualquer coisa, a gestante tem que se sentir bem com o que está fazendo”, reforça Greice.

Gabriela da Silva/GES-Especial
Grávida de oito meses, Michele faz os mesmos exercícios de antes, mas com adaptações


Antes, durante e depois da gestação

Gabriela da Silva/GES-Especial
Greice Oliveira, educadora física
Para que a gestante continue com a rotina de exercícios físicos, é importante que avise a academia, o estúdio ou centro de treinamento que frequenta tão logo fique sabendo do resultado, para que os treinos sejam adaptados. Depois, a rotina de atividades pode seguir até o momento em que a mãe se sentir confortável. “Já tive aluna que treinou até um dia antes de ter bebê, mas não tem receita de bolo para isso, depende de como a gestante está se sentindo”, acrescenta a educadora física. No pós-parto, o tempo de retorno aos treinos vai exigir recomendação médica. “E novamente será um período de adaptação, cuidando a carga, para não ter um treino pesado”, destaca Greice. A prática de exercícios físicos durante a gestação, junto com uma alimentação sadia e períodos de sono de qualidade formam o verdadeiro plano de saúde para os filhos, defende a educadora física, pois garantem ao bebê condições de ter um desenvolvimento mais saudável.

Continuar com o exercício

Mulheres que já praticam exercícios físicos devem seguir com as atividades durante a gestação, recomenda o ginecologista e obstetra Valdir Marques de Souza. “Porque a grávida que não faz exercício chega no fim da gravidez e dói todo o corpo, porque não está acostumada a fazer exercício”, observa. A também ginecologista e obstetra Maria Rita Curty reforça que, se a gestante já é adepta a atividades físicas, é aconselhável que continue com uma frequência de duas a três vezes por semana, em períodos de uma hora, sempre com muita hidratação. “Se a gestação estiver saudável, pode fazer exercício até a 36ª semana”, complementa. No entanto, Maria Rita ressalta que em torno da 30ª semana, normalmente, começa a ocorrer excesso de pressão intra-abdominal, então é preciso diminuir a carga e a intensidade dos treinos aeróbios. “Evite exercícios de impacto com o objetivo de reduzir chances de descolamento placentário ou hematomas retrocoriônicos (sangue atrás da placenta)”, explica.

As atividades mais aconselhadas pela médica são exercícios aeróbicos leves, caminhadas ou esteira devagar, intercaladas com treinos musculares. “São muitos os benefícios de se exercitar. O principal é o fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico (músculos que sustentam bexiga, reto e órgãos reprodutivos), o que reduz a predisposição a perdas urinárias devido ao aumento da pressão intra-abdominal e ao estiramento das fibras musculares na gestação”, indica a ginecologista.

Indicado para gestantes

Hidroginástica e natação: melhora a circulação, ajuda na diminuição de inchaço, fortalecimento do abdome e do músculo do períneo.

Musculação: ajuda a fortalecer e tonificar músculos, melhorando a postura e aliviando dores lombares. Junto com exercícios aeróbios, melhora a resistência cardiorrespiratória.

Caminhada: pode ser feita em ritmo leve a moderado, respeitando a frequência cardíaca. É recomendado que ocorra em terrenos regulares.

Alongamento: ajuda no alívio de dor nas costas, aumenta circulação sanguínea e diminui inchaço das pernas.

Yoga: ajuda no alongamento e na tonicidade dos músculos, melhora flexibilidade corporal, relaxa as articulações e ativa a circulação, além de ser também um exercício para a mente.

Pilates: melhora a postura, evita dores lombares e fortalece músculos das costas.

IMPORTANTE! Todo e qualquer exercício só deve ser praticado pela gestante sob recomendação médica e com a orientação de um profissional habilitado.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS