Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Afeganistão

Atentado contra centro cultural xiita em Cabul deixa 40 mortos

Estado Islâmico reivindicou atentado
28/12/2017 09:41 28/12/2017 09:43

SHAH MARAI /AFP
Ao menos 40 pessoas morreram em ataque a centro cultura de Cabul
Ao menos 40 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas nesta quinta-feira (27) em um atentado contra um centro cultural xiita de Cabul, capital do Afeganistão. O grupo Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado em um comunicado difundido por sua agência de propaganda Amaq.

O ataque foi cometido três dias depois de um atentado suicida perto da sede da agência de inteligência afegã na capital que deixou seis mortos.

Os talibãs negaram anteriormente envolvimento no atentado desta quinta-feira, que também atingiu a Agência Voz Afegã, um meio de comunicação próximo ao local do ataque.

"O alvo do ataque era o centro cultural Tabayan. Uma cerimônia acontecia para recordar o 38º aniversário da invasão soviética do Afeganistão no momento da explosão", afirmou à AFP o porta-voz adjunto do ministério do Interior, Nasrat Rahimi.

A explosão foi seguida por outras duas, menos potentes, que não deixaram vítimas. "Há 40 mortos e 30 feridos. Não é o balanço definitivo, que ainda pode aumentar", disse Rahimi.

O ministro delegado da Saúde, Ghulam Mohamad Paikan, de entrevista ao canal Tolo e citou "35 mártires e outros 20 feridos, todos civis, que faleceram em consequência das queimaduras provocadas pelo atentado".

"Estávamos no corredor, na segunda fileira, quando a explosão aconteceu atrás. Eu não vi o homem-bomba. Depois da explosão, havia fogo e fumaça dentro do prédio e todos pediam ajuda", afirmou Mohamad Hasan Rezayee, um estudante que ficou ferido no rosto e nas mãos.

"Foi o caos. Todos gritavam e choravam. As pessoas se tornaram vítimas do pânico. Todos pediam ajuda", completou.

Rezayee afirmou que entre as vítimas estão mulheres e crianças.

As fotografias publicadas na página do Facebook da agência Voz Afegã mostram a redação transformada em uma pilha de escombros e alguns corpos no chão.

O ministério da Saúde anunciou um balanço inicial de quatro mortos e o hospital Istiqlal confirmou ter recebido 18 feridos.

"Cinco deles estão em situação crítica e nossos médicos tentam salvar suas vidas", afirmou Sabir Nasib, diretor geral do centro médico.

Este foi o mais recente de uma longa lista de atentados em Cabul, uma das cidades mais perigosas do planeta. No dia 31 de maio, um caminhão-bomba matou 150 pessoas e deixou 400 feridos na capital do Afeganistão.

O grupo extremista Estado Islâmico (EI), que reivindicou o atentado de segunda-feira perto da sede do serviço de inteligência, executou recentemente vários ataques no Afeganistão, sobretudo contra a minoria xiita em Cabul. Os talibãs também atacam regularmente as forças de segurança do país.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS