Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Adrenalina

Tubarões-baleia nadam com turistas no norte do México

As atividades de observação e nado são reguladas pelas autoridades ambientais
28/12/2017 22:23 28/12/2017 22:24

O gigantesco tubarão-baleia é um companheiro de natação manso e amigável para dezenas de turistas que chegam à baía de La Paz, no noroeste do México, desejosos de viver esta experiência.

"São animais tropicais, muito mansos, por isso você pode nadar com eles, com uma velocidade máxima de cinco milhas por hora, ou seja, são muito lentos e também muito dóceis", explica à Fabricio Mujica, que se dedica a organizar estes passeios.

Com a temporada de avistamento do tubarão-baleia (Rhincodon typus), que começou em outubro, a orla de La Paz se enche de visitantes que aguardam sua vez para subir em uma das lanchas em que são levados, em grupos de 10, para perto destes animais que, apesar do nome, não são cetáceos, mas peixes.

Sua anatomia impressionante, com nove metros de comprimento e nove toneladas, contrasta com seu temperamento dócil e fugidio, motivo pelo qual é necessário aproximar-se deles com delicadeza, desligando os motores das lanchas para evitar espantá-los.

Uma vez na água, os guias dão instruções precisas aos nadadores, para que saibam o quanto podem se aproximar dos animais.

"É uma espécie muito suscetível às embarcações e aos barulhos também. Tem um olfato extremamente sensível, detectam qualquer químico ou óleo e saem fugindo, e isso é bom porque os mantém a salvo", diz Mujica.

As atividades de observação e nado são reguladas pelas autoridades ambientais do México, que fazem percursos de vigilância nas zonas de avistamento e sancionam as embarcações que infringem as normas de proteção desta espécie, que se move em grupos de 10 a 30 exemplares.

"A experiência de viver isso é muito difícil de descrever. Muito espetacular", comenta Eduardo Rodríguez, um turista da Cidade do México.

"Oferecem um espetáculo muito particular para aqueles que vêm nadar com eles, e também muito seguro", conclui Mujica.


str-jla/jg/lb/db


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS