Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Otimismo

Comércio local ganha fôlego com o Natal; vendas podem aumentar em 7%

Comerciantes projetam fim de ano mais generoso em presentes
18/12/2017 04:00 18/12/2017 07:30

Andrezza Röhrig/GES
Comércio otimista para o Natal
Ao que tudo indica, o Natal deste ano será mais generoso do que o último. Projeção da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV) – com base em levantamento feito com representantes de 135 entidades que reúnem 27 mil lojistas gaúchos – indica que as vendas no Rio Grande do Sul deverão ter um crescimento nominal (comparação dos valores, sem considerar inflação) entre 5% e 7%, comparado com as vendas de Natal de 2016.

Conforme o presidente da entidade, Vilson Noer, o maior ânimo no varejo gaúcho se deve a três variáveis: à inflação oficial, que caiu para 3%; à menor taxa de juros, que está em 7% contra quase 14% no ano passado; e à melhora nos indicadores de geração de emprego.

Além disso, o principal destino do 13º salário, pela primeira vez, desde 2012, deverá ser a compra de presentes – cerca de 42% – segundo levantamento de final de ano da Fecomércio-RS.

O gerente de uma loja de calçados em Novo Hamburgo, Douglas Torres dos Santos, diz que em tempos de crise, o comércio é sempre o primeiro a sentir e o último a melhorar. “O comércio, de forma geral, está começando a aquecer, mas as coisas continuam um pouco empatadas. Em relação a dezembro do ano passado, projetamos um aumento de 5% a 10% em vendas, mas esperamos uma melhora para os próximos anos”, pondera.

Retomada a passos lentos
De acordo com a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS), após três anos seguidos de estagnação e queda intensa, em 2017, as vendas do varejo gaúcho devem fechar com crescimento de 13,41% se comparadas a 2016. “Esse percentual, apesar de aparentemente elevado, não reverte a queda de consumo dos anos anteriores”, pontua o presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch.

Ainda conforme a entidade, a retomada das vendas iniciou nos primeiros meses de 2017 e se acelerou a partir do segundo trimestre, com a influência da liberação das contas inativas do FGTS, da grande safra agrícola e da queda da Selic. “Mesmo com o resultado positivo no ano, o consumo na maioria dos gêneros varejistas ainda está inferior aos padrões verificados há três anos (2014) e cinco anos (2012). Isto mostra que ainda existe um longo caminho para a plena recuperação do comércio lojista”, destacou Koch. O presidente da FCDL-RS ressalta que, para o final de ano, estima-se contratação de quase 8 mil gaúchos para vagas temporárias. “Os últimos meses de 2017 estão concretizando importante recuperação do emprego lojista do Estado”, avaliou.

Entidades otimistas

Novo Hamburgo
Para o Sindilojas-NH, depois de dois anos muito ruins para o segmento, a expectativa é de incrementar em até 7% o volume de negócios. “Acredito que já passamos pelo pior. A crise é a mais severa da nossa história. No início do ano, a gente falava em um cenário de ‘despiora’. Agora já dá para pensar em melhora”, aposta o presidente do Sindilojas, Remi Scheffler. Apesar do otimismo, ele diz que é preciso ter os pés no chão. Afinal, como o ano foi difícil para todos, muita gente está aproveitando a chegada do 13º salário para pagar contas. O que será favorável ao consumo é a data. “Que possamos renovar nossas expectativas com boas vendas”, acrescenta.

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Novo Hamburgo (CDL-NH), por sua vez, fala em um crescimento de 3% nas vendas, em comparação a igual período do ano anterior. “Vemos um crescimento, mas esperamos para um incremento maior no próximo ano, de até 10%. A última semana, que antecede o Natal, é sempre a melhor em termos de venda. Nós temos, ainda, a campanha Natal do Sinos, que dá prêmios a lojistas, consumidores e vendedores. Acreditamos que esse seja um estímulo”, ressalta o presidente da CDL NH, Gilberto Luís Kasper.

Campo Bom
Segundo o presidente da CDL Campo Bom, Omar Henrique Hoffmeister, as vendas de final de ano sempre impulsionam muito o comércio de cidade. “Neste 2017 não está sendo diferente. Percebemos movimentação do comércio para atrair clientes, como promoções e condições de pagamentos diferenciadas, onde estima-se um aumento das vendas de 5% em relação ao ano passado”, pontua.

Dois Irmãos
A presidente da CDL Dois Irmãos, Margareth Spohr Finkler, destaca que os comerciantes da cidade estão bem otimistas, tentando recuperar os dados dos últimos três anos, com a queda da economia e do poder de compra da população. “O Natal de 2017 deverá ser bem positivo para o comércio de Dois Irmãos, acreditamos que as vendas devem aumentar cerca de 12% neste ano”.

Estância Velha
“Começamos dezembro com índice positivo em relação ao ano passado. A tendência é que na semana que vem aumente ainda mais com a proximidade da data. Estamos projetando aumento de 7% em relação ao ano de 2016”, comenta o diretor do Serviço de Proteção ao Crédito da CDL de Estância Velha, Darcy Sartori, que também destacou as linhas de vendas em 2017. “Este vai se destacar nas vendas de Natal a linha de calçados, confecções e produtos de beleza. Foi um ano difícil e as famílias estão voltando a atenção para a autoestima’, observa.

Paranhana
O presidente do Sindilojas do Vale do Paranhana, Luciano Herzog, salienta que o consumidor está mais confiante e voltando a comprar mais. “Acredito que estamos em uma crescente, mas ainda não se compara ao ano de 2013, quando ocorreu a queda vertiginosa de vendas. Em dezembro deste ano, o aumento de vendas gira em torno de 5% e a perspectiva é boa para os próximos anos”, opina.

Sapiranga
A CDL Sapiranga projeta crescimento entre 6% e 8% para o ano de 2017. “Já para o mês de dezembro, a projeção é de um crescimento de 10% sobre dezembro de 2016”, frisa o primeiro-secretário da CDL, Ademir Gerson Deitos.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS