Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
História

Alice, filha de Leopoldo Petry, faz aniversário de 100 anos

Missa pela longevidade de Alice Petry será nesta sexta-feira
28/12/2017 08:02 28/12/2017 08:03

Arquivo pessoal
Alice Petry se formou na primeira turma do Colégio Santa Catarina

Gustavo Leal da Silva/Hospital Santa Teresa
Alice Petry hoje mora em Petrópolis, no Rio de Janeiro
Em uma vida que foi dedicada à religião e à Igreja, completa 100 anos amanhã, Alice Petry. Filha de Leopoldo Petry, um dos emancipacionistas de Novo Hamburgo e quem dá nome ao Centro Administrativo da cidade, Alice sempre lutou por uma sociedade com valores e crenças, assim como o pai. Mais conhecida como Irmã Cecília, seu nome de religiosa, ela atualmente vive na Moradia das Irmãs Idosas do Hospital Santa Teresa, em Petrópolis, Rio de Janeiro.

Aos 15 anos, em 1933, Alice já se formava na primeira turma do curso complementar de professores, no Colégio Santa Catarina, em Novo Hamburgo. Com 18, entrou para o convento. Quatro anos depois, aos 22, a Irmã realizava os seus votos perpétuos. Teóloga e poliglota, falando línguas como o português, alemão, francês, inglês e holandês, a filha de Leopoldo teve sua importância reconhecida tanto nacional, quanto internacionalmente. “Ela queria ser freira desde criança e tinha vocação. Viajou o mundo inteiro em congregações, sendo uma das lideranças atuantes. Em virtude do seu conhecimento, foi duas vezes provincial da ordem do Brasil”, diz Therezinha Petry Andrade, irmã de Alice.

MISSA PELA LONGEVIDADE

Além de Therezinha e da própria Alice, Luisa Friederich é a terceira filha de Leopoldo que permanece viva. De uma família grande, com oito filhas mulheres e dois homens, a influência dessa convivência ficou refletida em escolhas como a da Irmã Cecília.
“A nossa mãe era uma pessoa muito religiosa e o pai sempre um homem muito envolvido com a comunidade, defensor da imigração alemã. Com certeza esse conjunto de características influenciou na nossa casa”, acrescenta Therezinha.

Como forma de homenagear a trajetória de Alice Petry, uma missa de ação de graças pela sua longevidade será rezada amanhã, 29, a partir das 18h30, na Catedral São Luiz Gonzaga, em Novo Hamburgo. Therezinha convida familiares, amigos, ex-alunos e todos os conhecidos a integrarem o momento. “Uma das coisas mais importantes na vida das pessoas é agradecer. E muitas vezes acabamos nos esquecendo disso. Essa missa será um agradecimento especial pela história da minha irmã”, afirma.

Comemoração

Gustavo Leal da Silva/Arquivo Pessoal
Alice aos 22 anos de idade
Alice não poderá comparecer na cerimônia organizada pela família na Catedral São Luiz Gonzaga nesta sexta-feira, mas a irmã Therezinha diz que o carinho enviado daqui será sentido por ela no Rio de Janeiro, onde vive atualmente.

“Ela está bem, com um estado de saúde ótimo e perfeitamente lúcida. Até há pouco tempo ela ainda utilizava o computador. Queremos comemorar o centenário dela, que fez muito por todos nós”, afirma a irmã, com orgulho da trajetória de Alice.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS