Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Saúde

Novo Hamburgo é o 4º em casos de HIV no Estado

De acordo com a Secretaria de Saúde do RS, os homens gaúchos correspondem a 59,3% da população infectada
07/12/2017 06:49 07/12/2017 06:49

Christine Foernges

O dia primeiro de dezembro marcou o Dia Mundial de Luta Contra a Aids, um assunto que ainda marca a vida dos gaúchos de todo o Estado e, claro, da região também. Porto Alegre ocupa a primeira posição no ranking das capitais com taxa de detecção da doença (65,9 casos/100 mil habitantes), seguido por Florianópolis (61,5 casos/ 100 mil habitantes) e Belém (55,4 casos/100 mil habitantes). De acordo com documento da Secretaria de Saúde do Estado, os homens gaúchos correspondem a 59,3% da população infectada, que tem como principal categoria de exposição, a relação sexual desprotegida, ou seja, sem o uso do preservativo.

Novo Hamburgo ocupa o quarto lugar nos 16 municípios com mais de 100 mil habitantes do Estado, tendo apenas Porto Alegre, Rio Grande e Alvorada, respectivamente,à frente, conforme alerta a infectologista, da Secretaria Municipal de Saúde, Fábia Corteletti. “Atendemos cerca de 3 mil pacientes acometidos com doenças infectocontagiosas, sendo que a maioria tem diagnóstico positivo para HIV”, afirma.

Tratamento

Passaram-se quase 40 anos da descoberta da Aids. Dos anos 80 até hoje muito se evoluiu no que diz respeito ao diagnóstico precoce, tratamento, qualidade de vida e sobrevida do paciente. Corteletti afirma que os pacientes que descobrem a doença precocemente e realizam o tratamento de forma adequada vivem tanto quanto alguém que não tem a doença. “O sucesso do tratamento inicial está completamente vinculado ao tempo do diagnóstico após o contágio e também a adesão das medicações”.

Medicações essas que também evoluíram com o passar dos anos. “Os remédios são dispensados ao paciente de acordo com a sua necessidade, podendo variar de 1 comprimido (para quem inicia), até mais de 10 para aqueles que já fizeram uso de outras medicações”, explica.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS