Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Mundo

O presidente francês anuncia lei contra 'fake news'

Emmanuel Macron também anunciou que os poderes da autoridade de regulação do setor audiovisual serão aumentados
03/01/2018 20:14 03/01/2018 20:15

O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou nesta quarta-feira (3) que apresentará um projeto de lei para lutar contra as "fake news" ("notícias falsas") na internet durante o "período eleitoral", em uma referência velada aos meios de comunicação públicos russos RT e Sputnik.

"Vamos fazer evoluir nosso dispositivo jurídico para proteger a vida democrática dessas notícias falsas", declarou em uma mensagem de Ano Novo o chefe de Estado francês.

Pouco depois de sua eleição, em maio do ano passado, Macron criticou duramente o que considerou uma ingerência dos meios de comunicação russos durante a campanha eleitoral.

Ludovic Marin/AFP
Presidente da França Emmanuel Macron
Macron classificou o Russia Today e o Sputnik de "órgãos de influência" do regime russo, o que foi desmentido energicamente por Moscou.

Macron também anunciou que os poderes da autoridade de regulação do setor audiovisual serão aumentados "para lutar contra toda tentativa de desestabilização por parte de serviços de televisão controlados ou influenciados por Estados estrangeiros".

"Isso permitirá rejeitar acordos com esse tipo de serviço" incluindo os conteúdos "na internet", explicou Macron.

Macron chegou a acusar o RT e o Sputnik de ter divulgado "propaganda mentirosa".

O RT lançou em dezembro sua rede de televisão em francês.

Documentos internos de pessoas do círculo próximo ao então candidato Macron apareceram nas redes sociais, uma operação denunciada como uma tentativa de "desestabilização da democracia".

Com este projeto de lei, os sites "são obrigados a tomar medidas de maior transparência sobre todos os seus conteúdos patrocinados, para tornar pública a identidade dos anunciantes e dos que os controlam", informou.

"Em caso de difusão de uma notícia falsa, será possível apresentar uma ação ao juiz", o que poderia resultar no fechamento do site, assegurou.



Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS