Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Investigação

Justiça chilena arquiva caso de ex-bispo acusado de abuso sexual de menor de idade

Para a Corte de Apelação, não há provas para verificar a ocorrência dos eventos
28/01/2018 13:04 28/01/2018 13:04

Um tribunal chileno confirmou o arquivamento da investigação contra o ex-bispo Marco Antonio Órdenes, acusado de ter abusado sexualmente de um menor de idade em 1997, acusação pelo qual o Papa Bento XVI decidiu destituí-lo, informou o Poder Judiciário no sábado. Durante sua gestão como bispo da cidade de Iquique (1,8 mil km ao norte de Santiago), Rodrigo Pinto denunciou Órdenes em 2008 por ter abusado dele quando tinha 15 anos. A denúncia foi um duro golpe para a Igreja chilena.

A Corte de Apelação da cidade de Iquique confirmou uma decisão anterior e "ordenou o arquivamento do caso, depois de estabelecer na investigação que não há provas para verificar a ocorrência dos eventos relatados em dezembro de 2008", disse em declaração o Poder Judicial.

O Vaticano também abriu uma investigação sobre o caso em outubro de 2012. Poucos dias após o início do inquérito, Órdenes apresentou sua destituição à igreja, aceita imediatamente pelo papa, que anunciou seu desligamento. Órdenes tornou-se o primeiro bispo chileno a ser investigado por estupro. Cerca de 80 sacerdotes foram acusados de abuso sexual de menores desde 2000, de acordo com a ONG americana Bishop Accountability.

A recente visita do Papa Francisco ao Chile foi permeada por protesto contra acobertamento de casos de estupro na igreja chilena e de participação ativa nos atos papais do bispo de Osorno (sul), Juan Barros, acusado de ter mantido o silêncio sobre o abuso sexual de menores cometidos por seu guia espiritual, o influente padre Fernando Karadima.

O papa disse que não há provas contra Barros e chamou as acusações contra o bispo feitas pelas vítima de Karadima de "calúnia". Durante seu retorno ao Vaticano, Francisco pediu perdão pelos danos causados por suas palavras.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS