Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Suzana Kunz

Viver de aparências

Leia artigo de Suzana Kunz
10/01/2018 10:00

Suzana Kunz Suzana Kunz é publicitária, especialista em Marketing e Psicologia

suzana@imagempropaganda.com.br

Novamente chegou a estação do ano em que a moda é ter pele bronzeada. Eu, que sou muito branca de nascença e pintada de sardas, já sofri muitos verões trocando de pele feito lagarta, porque, literalmente, me atirava na esteira, lagarteando ao sol do meio-dia. Com o tempo e sob orientação médica, desisti de ser morena, apesar de ter teimado por anos tentando ser o que não sou, como no caso do falecido Michael Jackson, pra citar alguém com problemas de identidade que se imortalizou feito mito. Com esta desistência em parecer ser o que não sou, ganhei nova existência em aceitar algo em mim tão irremediável quanto a cor da pele. Agora, beirando a terceira idade, entretanto, ainda tenho surtos em ocasiões que quero aparentar ter o tom de pele que não tenho só para me sentir mais incluída junto à maioria. A indústria farmacêutica evoluiu tanto que ajuda a resolver com maquiagem de forma prática e relativamente econômica, oferecendo aos brancos inconformados, cremes, loções e sprays que colorem o corpo na hora e ainda oferecem diversas tonalidades à escolha do freguês, além de servirem como hidratantes. Então, por vezes, nesta época do ano, assim como naturalmente passo um batom pra pintar os lábios, dou uma pintada nas pernas pra usar vestido. Existem, entretanto, questões bem mais profundas, mais insondáveis que dizem respeito às partes de nós que não aceitamos e, assim, as colocamos num canto invisível, mal iluminado de nós mesmos. É mais ou menos como varrer a sujeira pra baixo do tapete como forma de anestesiar o coração, porque se os olhos não veem… O contexto externo tem me inspirado a pensar que este 2018 é um ano farto de verdades inconfessáveis que aparecerão por debaixo dos tapetes erguidos no cenário internacional, sendo iluminadas pela mídia. No âmbito pessoal, me parece que não teremos muita alternativa, pois não tem mais como enganar através das aparências.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS