Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Corrida presidencial

Líder do PSDB diz que irá trabalhar "diuturnamente" por apoio de Maia

Nilson Leitão reagiu a entrevista do presidente da Câmara
09/01/2018 18:22 09/01/2018 18:22

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Deputado Nilson Leitão (MT) vai trabalhar para convencer o DEM a apoiar o candidato tucano
Após confirmar que tem sido sondado por siglas do chamado centrão para se apresentar como candidato à Presidência da República, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deixou os membros do PSDB em alerta, uma vez que a legenda à qual o parlamentar pertence é um aliado tradicional. Assim, com a possibilidade de o DEM apresentar candidatura própria nas eleições deste ano, cresce a preocupação diante da possível diluição dos votos dos candidatos de centro.

O líder do PSDB na Câmara, deputado Nilson Leitão (MT), que considerou a declaração de Maia como "ato corajoso", admitiu que caso o novo posicionamento do DEM se consolide, o PSDB terá que respeitar a postura da legenda, mas vai trabalhar "diuturnamente" para convencer o partido a apoiar o candidato tucano.

"Rodrigo se colocou como uma liderança e eu não tenho dúvida que vamos ter que respeitar essa postura dele. Mas tenho certeza que vamos trabalhar diuturnamente para convencê-lo a apoiar nosso candidato do PSDB. Ele (Rodrigo Maia) está lançando uma candidatura para tentar criar uma abrangência, mas ninguém vai ter a capacidade de dizer se isso pode se tornar viável ou não", enfatizou o líder, ao lembrar que o DEM foi um grande apoiador do PSDB no passado, "até mesmo nos momentos mais difíceis."

Entretanto, o deputado ponderou que ainda existem muitas pendências para serem resolvidas até o início da disputa eleitoral.

"Por exemplo, a própria relação com o governo. Qual vai ser a pauta de 2018, se serão realmente as reformas que o PSDB defende ou se será apenas o debate político eleitoral", destacou Nilson Leitão.

O senador Paulo Bauer (SC), líder da legenda no Senado, avaliou que "partidos e políticos que têm preocupação com o Brasil não estão preocupados em encontrar um messias, um salvador da pátria."

"Primeiro, é necessário observar que espera-se que todas essas lideranças e siglas que têm preocupação com o Brasil pratiquem o bom senso na sua conduta e nas suas decisões", ressaltou, acrescentando: "o que precisa se encontrar é a unidade desses partidos."

O deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP) estimou que ainda é cedo para falar de definições sobre o quadro de candidatos à Presidência da República nas eleições deste ano. O deputado disse que "não dá para antecipar calendário."

"Temos algumas prioridades no Brasil e uma delas é a aprovação da reforma da Previdência. Não tem ainda uma capilaridade, uma densidade. Ainda não é o momento. O que eu vejo na pauta agora é o julgamento do Lula dia 24, os caminhos para votar a questão da Previdência. Agora o momento é de estabilizar o partido e pensar no país."

"CONTROLAR O ESTRESSE"

Na tarde desta terça-feira, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, recomendou calma aos aliados que estão incomodados com os seus índices de intenção de votos para a Presidência da República. No último levantamento do Datafolha, divulgado no início de dezembro, o tucano oscila entre 6% e 9%.

"É preciso controlar o estresse. Essas coisas são definidas lá na frente", afirmou o governador, recomendando acupuntura para quem está ansioso.

O senador Paulo Bauer ponderou que a candidatura de Alckmin pelo PSDB "está absolutamente consolidada". Para ele, a partir do momento em que o pleito do governador de São Paulo passar a ser conhecido publicamente, e não apenas partidariamente discutido, os percentuais de intenção de votos para o atual governador de São Paulo ao Palácio do Planalto vão crescer.

"Os percentuais (de aprovação) vão começar a crescer visto que o eleitor vai querer para a Presidência alguém que tenha três requisitos: experiência, credibilidade e competência", finalizou o senador.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS