Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Economia

Rodrigo Maia afirma que o momento não é de encontrar culpados para o rebaixamento

Presidente da Câmara rebate área econômica do governo
12/01/2018 11:39 12/01/2018 12:35

Agência Brasil/Marcelo Camargo/Agência Brasil
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, durante sessão plenária
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse à imprensa ter ficado magoado, porque, segundo ele, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e parte do Palácio do Planalto transferiram para o Congresso a responsabilidade do rebaixamento da nota de crédito do Brasil, na noite de quinta-feira (11), pela Standard & Poor´s. Maia afirmou que o momento agora não é de encontrar culpados e sim trabalhar em uma solução para aprovar a reforma da Previdência.

"Nosso desafio não é encontrar culpados. Precisamos encontrar uma solução para aprovar a reforma da Previdência. Sei que o presidente Temer está sempre empenhado, mas o que a gente não pode é reorganizar a votação e o ministro da Fazenda ficar procurando responsáveis por esse problema. Fiquei muito magoado", disse Maia.

Segundo o presidente da Câmara, a não aprovação da reforma se deveu, principalmente, às denúncias contra o presidente Michel Temer. Na semana da votação, no ano passado, foi tornada pública a delação premiada do empresário Joesley Batista. "A forma como Meirelles falou parece que ele está contra a reforma. Depois de tudo o que a gente fez, parece que a culpa foi nossa. O Brasil vivia uma crise fiscal profunda e saiu dela graças ao governo e também graças ao Congresso, que aprovou uma reforma trabalhista, por exemplo", comenta.

"Temos essa pendência (reforma da Previdência) e também outras votações para fazer. Há um orçamento com 91% comprometidos com despesas obrigatórias que precisa ser reavaliado no futuro", disse ele.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS