Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Caso das crianças esquartejadas

Tribunal nega pedido de liberdade a líder do templo satânico

Satanista é o único dos sete acusados que entrou com pedido de habes corpus
10/01/2018 07:10 10/01/2018 07:11

Polícia Civil/Divulgação
OPERAÇÃO: Fermino (de costas) desafia o bruxo depois de encontrar, na frente do altar, uma bacia com crânio humano e sangue
O desembargador Sylvio Baptista Neto, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ), negou nesta terça-feira (9) habeas corpus a Silvio Fernandes Rodrigues, líder do templo satânico onde duas crianças teriam sido sacrificadas entre agosto e setembro do ano passado. O pedido de liberdade foi feito pela advogada Denise Dal Molin Pellizzoni, que deixou o caso na segunda-feira. “Mestre Silvio”, como é conhecido, é o único dos sete acusados que entrou com habeas no TJ.

Ao negar a liminar, o desembargador pediu mais informações ao Foro de Novo Hamburgo para o julgamento do mérito da ação no TJ, ainda sem data. Baptista Neto e dois colegas irão decidir se soltam o bruxo. Ao impetrar a ação, na última quinta, a advogada usou três argumentos.

“Os advogados não estão tendo acesso ao inquérito, o que configura cerceamento da defesa, e meu ex-cliente já prestou todos os esclarecimentos. Por último, citei o fanatismo religioso do delegado. Isso, aliás, servirá mais tarde ao novo advogado para pedir a anulação do inquérito”, declara a advogada. Apesar de não estar mais no caso, ela diz que vai continuar acompanhando, pois conhece o bruxo há bastante tempo e diz não acreditar que ele cometeu os bárbaros crimes. “Tem muita fantasia nessa investigação.”

Denise diz que o bruxo afirma não conhecer o hamburguense Jair da Silva, que teria encomendado o ritual para atrair prosperidade, nem o filho dele, Andrei, presos no mesmo dia. “Eu não sei quem são. Não conheço esse senhor”, teria dito o satanista, segundo a advogada, ao ser colocado na cela junto com pai e filho, no dia 27 de dezembro. O delegado Fermino, contudo, afirma que tem provas de que os acusados mantinham contato.

NH/Reprodução
TEMPLO DE LÚCIFER: 'mestre Silvio' exibe o altar
"Ninguém nega a pregação a Lúcifer"

A advogada frisa que “mestre Silvio” é um religioso renomado no meio. “Ele viaja o mundo para fazer trabalhos. Ninguém nega a pregação a Lúcifer. Não é minha religião. Tenho outra, mas já ouvi as explicações dele. Ele diz que é um anjo de luz.” Denise acrescenta que o crânio encontrado pela Polícia na frente do altar é feito de resina. “Essa caveira foi deixada lá por uma ex-mulher dele. É dessas que se compra em casas de saravá.”

Segundo a advogada, o bruxo está abalado emocionalmente. “Ele jura que não fez nada disso. E afirma que não trabalha com Moloch (demônio que teria sido invocado no ritual, segundo a Polícia). É com outra entidade. Também garante que seus rituais sequer envolvem animais. É com bebidas e, quando precisa de carne, compra uma costela bem gostosa para as entidades.”

Segundo filho do bruxo, máscara era para festas raves

Juarez Machado/Juarez Machado/GES
Em coletiva à imprensa, delegado Fermino mostrou capa e máscara que teriam sido usadas por bruxo no sacrifício
A máscara de cachorro que o satanista teria usado no ritual de morte das crianças, apresentada pelo delegado Moacir Fermino Bernardo na coletiva de imprensa de segunda-feira, seria do filho de “mestre Silvio”. “O filho confirma que comprou essa máscara de pastor alemão pela Internet, a fim de usá-la em festas raves. Afirma que tem a nota.” A advogada, porém, não sabe por que estava no cofre do templo. “A Polícia diz que estava no cofre, mas a mulher dele diz que ali só havia documentos.” Já a capa preta com detalhes vermelhos, também exposta pelo delegado como traje do bruxo no sacrifício, para a advogada, é roupa comum na atividade.




Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS