Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Menos dores

Exercício físico faz parte do tratamento para doenças autoimunes

Atividades são recomendadas para quem sofre de artrose, fibromialgia, artrite reumatoide, lúpus, entre outros
08/01/2018 10:02 08/01/2018 10:24

Cristine Foernges/Divulgação
Reumatologista orienta a prática de exercícios
Exercícios devem fazer parte da rotina de qualquer pessoa que deseja manter uma vida saudável e se preparar para um futuro com qualidade. Tanto que é comprovada por diversas pesquisas, e corroborada por profissionais da saúde, a relação entre longevidade e a prática regular de atividades. No caso dos pacientes com doenças autoimunes, como artrose, fibromialgia, artrite reumatoide, lúpus, os exercícios físicos ainda podem fazer parte do tratamento, pois melhoram o controle da dor.

Segundo a reumatologista Carla Saldanha, um cronograma de atividades apropriado é extremamente benéfico e traz muitos resultados. “É importante dizer que o exercício não alivia a dor de forma imediata, leva um tempo para ver esse benefício, mas proporciona sim melhoria na dor e mais qualidade de vida ao paciente”,destaca a especialista em lúpus eritematoso sistêmico.


COMO FAZER - Ela recomenda que a prática ocorra três vezes por semana, por períodos de pelo menos trinta minutos a uma hora. A modalidade praticada vai depender de cada paciente. “Em termos de dor, não tem uma atividade melhor que a outra. Nos casos de artrose de quadril e joelhos tem que ter reforço muscular, mas no geral pra dor tem que ser algo que se encaixe na rotina”, comenta. A médica diz que o paciente pode até começar com fisioterapia e depois evoluir para musculação. “Mas é diferente para cada um a forma de identificar a dor. Se está fazendo e o movimento doeu, o movimento tem que ser repensado, ou se fiou dolorido, tem que ter menor intensidade, mas nunca desistir”, ressalta.



Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS