Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Games

Dandara é game brasileiro com heroína negra

Jogo desenvolvido pela Long Hat House inspirado em personagem do Quilombo dos Palmares teve lançamento internacional na semana passada
12/02/2018 12:48 12/02/2018 12:48

Dandara é despertada para enfrentar um império tirânico Sucesso internacional, foi lançado na semana passada o game brasileiro Dandara, uma produção do Long Hat House, sobre uma heroína negra inspirada na lenda da guerreira dos Palmares de mesmo nome. Criado por João Brant e Lucas Mattos, o jogo mostra um mundo dominado por um regime opressor. Para enfrentá-lo, a protagonista é despertada como última esperança na luta contra a tirania.
 “No começo do desenvolvimento, pensamos na mecânica de pular pelas paredes e em como encaixar uma história nesse jogo. A ideia inicial era um cara com uma metralhadora, algo bem clichê, e percebemos que a gente não tem nada a ver com isso. Começamos a pensar em conflitos brasileiros e lembramos da história do Quilombo dos Palmares, onde descobrimos a Dandara”, explica Brant.
 “Nos inspiramos nela pelo significado que ela tem e tentamos melhorar o jogo para fazer jus a personagem. Nosso objetivo era que o jogador se sentisse forte ao se colocar no lugar dela”, comenta Mattos.

Do celular aos consoles

Na última semana, o jogo do pequeno estúdio brasileiro (foram quatro pessoas envolvidas na produção) ganhou repercussão internacional nos veículos especializados. Além disso, é um dos primeiros jogos brasileiros a sair para o Nintendo Switch. “No começo, o Dandara seria um jogo apenas para celular. Queríamos chegar nos consoles. Entramos em contato com essa publisher e eles fizeram a ponte entre a Nintendo, Sony e Microsoft”, explica Brant.

O sucesso repentino ainda surpreende os desenvolvedores que, mesmo sem números finais, destacam que a primeira semana foi de boas vendas . “Ainda não caiu a ficha para nós. Metade do dia passamos trabalhando e a outra metade vendo notícias. Estamos curtindo muito as reações dos jogadores”, conta Mattos.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS