Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Osvino Toillier

A lição do silêncio

Leia artigo de Osvino Toillier
03/02/2018 09:00

Osvino Toillier Osvino Toillier é mestre em Educação e vice-presidente do Sinepe/RS

Um fazendeiro descobriu que tinha perdido o relógio no celeiro, muito valioso e de grande valor sentimental. Após intensa procura em vão, ele recorreu à ajuda de um grupo de crianças e prometeu valiosa recompensa para quem encontrasse o seu relógio. Quando o fazendeiro estava prestes a desistir, um menino lhe pediu uma chance para tentar, já que todos os outros não conseguiram. Seria uma tentativa a mais. Então, o fazendeiro autorizou o menino a entrar no celeiro.

Depois de um tempo, o menino saiu com o relógio na mão! Todos ficaram espantados. Então, o fazendeiro perguntou: “Como conseguiu encontrar?” O menino respondeu: “Eu não fiz nada a não ser ficar sentado no chão. No silêncio, eu escutei o tique-taque do relógio e apenas olhei para a direção certa.” Decisão baseada na lógica de uma criança, diferente dos paradigmas dos adultos. A racionalidade dos adultos não abre espaço para a imaginação de uma criança. Me divirto assistindo à lógica da neta de dez anos, especialmente quando preparamos uma celebração familiar, e ela é minha assistente. Na verdade, a protagonista na proposição das ações, e eu passo a observar como a criança tem uma visão que foge do paradigma dos adultos. Nós deveríamos nos dispor a abrir mais espaço para as crianças na programação familiar e teríamos, com certeza, valiosos espaços de criatividade e valorização de futuras lideranças.

É claro que não se trata de colocar crianças em risco, mas valorizar as ideias, proposições infantis e incorporá-las no universo da solução dos complexos problemas com que lidamos todos os dias. Os adultos não precisam centralizar as decisões e apenas comunicá-las, mas incorporar crianças e jovens nas soluções, e eles, certamente, crescerão mais felizes e com autoestima elevada pela consideração que receberam.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS