Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Ivar Hartmann

Combatendo os maus governantes

Leia opinião de Ivar Hartmann
07/02/2018 08:00

 Ivar Hartmann Ivar Hartmann é promotor aposentado

ivarhartmann@hotmail.com

Notícias diárias de nossos governantes são crônica policial: prisões, apreensões de dinheiro e documentos etc. Tudo o que pensarmos e mais um pouco. Nada podemos fazer! Nada? Ao menos pensar soluções, podemos. Se todos pensarmos, daqui a pouco acharemos elas ou paliativos. Alguma coisa intermediária entre as grandes passeatas, difíceis de organizar para os escândalos menores e a assertiva cotidiana: o eleitor tem que pensar em quem votar.

Já vimos que nenhuma nem outra trazem os frutos pretendidos de um país governado por inescrupulosos. Muitos. Da Prefeitura e Câmara de Vereadores ao Palácio do Planalto e Congresso Nacional. Fala-se há horas em Guerra à Corrupção. Tenho um livro publicado intitulado Manual Prático do Guerrilheiro. Que trata disso mesmo: a guerra de guerrilhas e como fazê-la. E aprendi, estudando para escrevê-lo, que a guerrilha, através dos tempos, sempre foi, em uma guerra, a maneira de combater dos mais fracos contra os mais fortes. Então, se estamos em guerra contra a corrupção e somos os mais fracos, já teríamos um parâmetro: fazer guerrilha contra eles. Aparecer onde não esperam, desgastá-los ao longo do tempo, promover seu enfrentamento, dar conhecimento à população das ações praticadas. O leitor acha isso difícil? Não, não é. Já temos então meio caminho andado.

Sabemos como devemos agir contra nossos inimigos poderosos que, em cada real que desviam, matam uma criança por fome, um cidadão por assistência à saúde inadequada, um motorista pela estrada ruim. Este ponto é importante: a conscientização de cada brasileiro letrado e que estuda ou estudou, de que um real desviado para o bolso de um corrupto, do presidente da República ao servente de pedreiro da prefeitura, ajuda a matar um brasileiro. Este real soma-se a outro e a outro, vira um córrego, logo um rio e ao fim um mar. Mar de lama e sangue. São inimigos: não se dá trégua ao inimigo. Continuamos na próxima semana.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS