Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Mauro Blankenheim

Desvendando Clooney

Leia artigo de Mauro Blankenheim
12/02/2018 08:00

Mauro Blankenheim Mauro Blankenheim é publicitário

mauroblankenheim.com.br

As 6 entrevistas encomendadas pelo Netflix a David Letermann tiveram seguimento nesta semana e vieram para causar. Depois de Obama que virou o mais barbudo dos mandatários americanos, numa série que se intitula Meu Convidado Dispensa Apresentações, o agora barbudo ex-homem do tempo entrevista o supostamente mais bonito barbudo espécime masculino de Hollywood: o ator que se notabilizou em uma série de televisão para ganhar tanto no cinema a ponto de já anunciar uma informal aposentadoria.

É claro que para esta série especial, Lettermann escolheu pessoas a quem admira, pois seria incoerente pinçar desafetos para o programa. Logo não é justo criticá-lo por eventuais babações de ovo durante as entrevistas. Há que se deleitar, enquanto se pode, com um talento dessa magnitude para perguntar e eventualmente responder, brincadeira que faz parte do roteiro das entrevistas.

Clooney casou-se recentemente com uma renomada advogada defensora de direitos humanos que certamente agora será ainda mais renomada. Teve gêmeos com ela aos 56 anos e confessa de forma antipiegas não ser uma tarefa agradável aguentar as madrugadas, embora conte com a ajuda de um séquito de babás. Filho de um apresentador de televisão e membro de uma família de artistas, revela um lado um tanto desconhecido dos seus fãs da tela: é um intenso ativista, convicto das causas que defende dentro e fora do país. Na África e dentro dos EUA, coloca seu nome à disposição, sem dublê, a serviço de causas que qualquer um entenderia como nobres, inclusive arriscando-se a rastrear dinheiro de um crime mais que organizado: o incentivo a guerras fora do país, por interesses puramente econômicos. Clooney, é certo, move-se “a mando” de Amal, esperança em árabe, uma mulher diferenciada que além de embolsar o coração do bonitão, conquistou também os sogros, um casal que já oferece guarida a um jovem islâmico ameaçado pelo E.I. Vale a pena conferir.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS