Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Doença no nervo

Dormência nas mãos pode ser sintoma da Síndrome do Túnel do Carpo

Cirurgião especialista Erik de Carvalho fala sobre diagnóstico, tratamento e recuperação
01/02/2018 14:00 01/02/2018 14:04

Divulgação/Divulgação
Consulta: em casos mais avançados, cirurgia é a solução
Desconforto, dor e sensação de dormência na mão esquerda. Por dez anos a professora aposentada Nadyr Maria Kerber, 65 anos, tentou amenizar estes sintomas que a perturbavam e assim, prolongou a visita ao especialista.

“A situação chegou a um ponto que não aguentei o desconforto”, afirma a moradora de São Leopoldo que revela ter entrado no consultório, já perguntando, com pensamento negativo, sobre a necessidade de fazer a cirurgia, já que temia ao procedimento, bem como à anestesia.

De acordo com o cirurgião especialista em mão, Erik de Carvalho, Nadyr integra o grupo de maior incidência da doença, que pode ocorrer em ambas as mãos, chamada de Síndrome do Túnel do Carpo. A síndrome, como o próprio nome diz, é causada pela compressão do nervo mediano que passa por um canal estreito no punho, o famoso Túnel do Carpo, provocando dor, perda de força e sensação de dormência, principalmente no turno da noite.

“A maioria dos casos não apresenta uma causa definida, mas sabe-se que mulheres acima dos 50 anos são mais acometidas pela síndrome que pode ser tratada de outras maneiras, além da cirúrgica, se descoberta em estágios iniciais”, explica.

Mas Nadyr precisou encarar o medo e seu tratamento foi cirúrgico. A demora no diagnóstico e os sintomas apresentados foram fundamentais para a decisão. “Operei em outubro do ano passado, tive uma excelente recuperação e hoje me sinto muito bem”, comemora.

Diagnóstico

O diagnóstico é baseado nos sintomas relatados pelo paciente e confirmado com dois testes que podem ser feitos no próprio consultório:

TINEL - realizado pelo médico por meio de batidas, com os dedos indicador e médio, no punho, com a mão aberta virada para cima;

PHALEN - caracterizado pela necessidade do paciente de flexionar o punho por 30 a 60 segundos. As queixas acompanhadas do teste físico são complementados pela eletroneuromiografia, exame que aponta a demonstração de redução de velocidade do nervo mediano ou bloqueio da condução nervosa.

Tratamento

Divulgação/Divulgação
A professora aposentada Nadyr Maria Kerber, 65 anos, passou por procedimento
Quando diagnosticado com brevidade o tratamento pode ocorrer com apoio fisioterápico, infiltração e tala ortopédica. Nos casos moderados e avançados da doença, cuja sensação de formigamento no membro é acentuada e persistente, a cirurgia é indicada.

Como é feita a cirurgia? De acordo com Erik Carvalho, a cirurgia leva cerca de 30 minutos para ser realizada. “O procedimento é simples e rápido, realizado através de uma pequena incisão na palma da mão, próximo ao punho para descomprimir o nervo”.

Recuperação

Erik orienta que a recuperação depende do comprometimento do tendão, mas geralmente recomenda repouso de 30 a 60 dias, sem a necessidade de imobilização, contudo, ressalta a importância de fazer movimentos leves e não utilizar a força durante este período, que deve ser acompanhado de fisioterapia.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS