VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Motores

Revolução francesa

Confira o desempenho do Captur, carro nacional que inaugura uma nova era de design para a Renault no Brasil.

Inézio Machado/GES
Visual segue moderno, apesar de lançamento na Europa ter ocorrido em 2013. Faróis alongados e luzes diurnas em LED compõem a nova identidade visual da Renault. Na traseira, lanternas em LED.

Linhas modernas que não apenas acirram a concorrência entre os SUVs e crossovers vendidos atualmente no mercado nacional, mas que também marcam uma nova fase de design para a Renault do Brasil. O Captur, novo carro brasileiro, representa com orgulho a escola francesa de design. Seu visual moderno em nada lembra os conservadores Logan, Sandero e Duster, desenvolvidos pela subsidiária romena Dacia.

Inézio Machado/GES
Plataforma é a mesma do Duster, mas com modificações

Mesmo chegando quatro anos após seu lançamento na Europa, ocorrido em 2013, mantém um forte ‘‘ar de novidade’’. Por lá, o Captur é feito sobre a plataforma do novo Clio, mas por aqui, usa a do Duster – com modificações –, o que não chega a ser um demérito. E se por um lado o câmbio automático tem apenas 4 marchas, por outro funciona adequadamente. Os pontos fortes do carro são a tão desejada posição alta de pilotar e dirigibilidade refinada, potencializada pela suspensão de calibragem macia (a traseira é do tipo eixo de torção) e que consegue manter um bom compromisso na questão da estabilidade.

Bom nível de equipamentos

Adair Santos/GES-Especial
Padrão de acabamento superior aos demais modelos da marca vendidos no Brasil

O acabamento interno em nada lembra modelos de entrada da Renault, como o veterano Clio brasileiro. Volante com ótima pegada, encaixes cuidadosos e bons materiais reforçam a modernidade visual. Além disso, desde a versão de entrada vem bem equipado de série. As rodas em liga-leve aro 17’’ são calçadas com pneus de perfil médio (215/60) e de baixa resistência à rolagem, para ajudar no consumo. De série, traz em todas as configurações direção eletro-hidráulica, quatro air bags (dois frontais e dois laterais), freios com ABS, controles de estabilidade e de tração e assistente de saída em rampa. Pena que o volante tem apenas ajuste de altura, e não de profundidade.

Adair Santos/GES-Especial
Chave-cartão funciona por aproximação, pois há botão start-stop, mas também pode ser inserida num orifício.

O MediaNav é um dos melhores do mercado e permite configurar qualquer funcionalidade da central multimídia, através da tela touchscreen de 7”, que tem: GPS integrado, bluetooth, câmera de ré, eco-scoring e eco-coaching. Além de todas essas funções, é integrado com o comando satélite que possibilita ao condutor acessar tudo sem tirar as mãos do volante. Tanto a motorização 1.6 quanto a 2.0 trazem o sistema Energy Smart Management (ESM) de regeneração de energia, solução da Fórmula 1 que ganha as ruas. Durante a desaceleração, quando o condutor retira o pé do acelerador, o motor continua girando sem consumir combustível. Outro destaque é a incorporação do sistema de fixação Isofix para duas cadeirinhas infantis no banco traseiro.

Motor 2.0 de 148 cv

Adair Santos/GES-Especial
Motor não é o mais moderno da marca, mas tem bons números de torque

A versão testada é a Intense, equipada com todos os opcionais e motor 2.0 16V flex, o mesmo disponível na linha Duster e que gera 143 cv com gasolina e 148 cv com etanol a 5.750 rpm. Não é o mais moderno da marca, mas conta com bons valores de torque: 20,2 kgfm e 20,9 kgfm, respectivamente. O câmbio automático tem só quatro velocidades. Pela sua proposta de modernidade, o Captur merecia um com 5 ou até um CVT. Mas, na prática, o escalonamento das marchas é ótimo e seu funcionamento agrada. O efeito colateral é que, a 110 km/h, os giros estão na casa das 3.000 rpm (em um carrro automático com 5 marchas, permanecem abaixo das 2.000 rpm), o que se reflete no consumo: com gasolina, faz 8,8 km/l na cidade e 10,8 km/l na estrada, segundo a montadora. Números razoáveis para um carro bastante aerodinâmico e que pesa 1.352 kg (na Zen, são 1.273 kg). Essa versão acelera de 0 a 100 km/h em 11,1 s com etanol e 12 s com gasolina, atingindo as máximas de 179 km/h e 174 km/h, respectivamente.

Já a Zen conta com mais modernidade sob o capô: o novíssimo 1.6 SCe flex (118 cv com gasolina e 120 cv com álcool a 5.500 rpm, bem como 16,2 kgfm de torque a 4.000 rpm com qualquer um dos combustíveis) acoplado ao câmbio manual de cinco marchas. Com gasolina, o 1.6 faz 10,9 km/l na cidade e 11,3 km/l na estrada. A aceleração de 0 a 100 km/h ocorre em 11,9 s com álcool e 13,3 s com gasolina, atingindo as máximas de 169 km/h e 168 km/h, respectivamente.

Versões e preços

Zen

O Captur parte de R$ 78,9 mil na versão Zen, que tem motor 1.6 flex de 120 cv (com etanol), câmbio manual de 5 marchas e rodas aro 17’’. Com MediaNav e câmera de ré, sobe para R$ 80,89 mil.

Intense

Com motor 2.0 (148 cv) e câmbio automático de 4 marchas, custa R$ 88,49 mil. Bancos em couro são opcionais (R$ 1,5 mil). Ambas as configurações cobram mais por pintura em dois tons: R$ 1,4 mil. No total, a conta fecha em R$ 91,39 mil.

Porta-malas

Adair Santos/GES-Especial
No compartimento, cabem 437 l de bagagens

Porta-malas leva 437 l. Com um porte que se impõe no trânsito, SUV tem 4,33 m de comprimento, 2,67 m de entre-eixos, 1,67 m de altura e 1,81 m de largura.

Um degrau acima

Se o novo Civic é o Civicão, o Accord então pode ser chamado de super Civicão .

Se a 10ª geração do Honda Civic representa uma evolução em termos de tamanho e conforto, o que dizer do Accord, historicamente posicionado em um patamar acima do sedã médio? Luxo, potência e estilo são palavras que o definem bem. Eterno rival do Toyota Camry, pelo seu preço – R$ 162,5 mil – o Accord também acaba disputando mercado com os alemães Audi A3, Mercedes Classe C e BMW série 3. Se por um lado não tem o status que esses três últimos entregam, compensa com um bom nível de equipamentos. De 2016 até hoje, foram vendidas 124 unidades.

Entre os aparatos tecnológicos há o ANC (Active Noise Control e Active Sound Control), um dispositivo que capta ruídos e vibrações na cabine com auxílio de um microfone e, por meio do sistema de alto-falantes, emite ondas contrárias, transmitindo a sensação de silêncio. O silêncio só é quebrado quando se acelera forte e o V6 mostra seu belo rugido.

Partida à distância pela chave, acendimento automático dos faróis e sensor de chuva são outras comodidades. Ao volante, o Accord é só alegrias: macio e estável, graças também aos amortecedores de alta performance. A direção elétrica EPS é leve e precisa.

O V6 que se transforma em ‘‘V3’’

Um V6 que se transforma em um V3, bastando o motorista acelerar moderadamente. De tamanho compacto, o i-VTEC 3.5 V6 24 válvulas tem a tecnologia de Administração de Cilindro Variável (VCM), que pode ativar e desativar três cilindros, conforme a necessidade, para atender a demandas de potência e economia de combustível. Durante grande parte da condução urbana em velocidades mais baixas, o VCM permite que o 3.5 V6 trabalhe com apenas metade do número de cilindros e, quando é preciso mais força, todos são acionados. O resultado é boa performance com consumo moderado. A potência máxima de 280 cv chega a 6.200 rpm e, os 34,6 kgfm de torque, a 4.900 rpm.

Câmbio de seis marchas

A transmissão automática de seis velocidades traz paddle shift, as ‘‘borboletas’’ localizadas atrás do volante. É possível realizar a configuração de acordo com o estilo de condução, escolhendo entre o modo “D” (Drive), que privilegia o conforto e rodagem tranquila, ou o “S” (Sport), que aproveita ao máximo os giros do motor.

Design

Em termos de design, se o Civic geração 10 é chamado de ‘‘Civicão’’, o Accord é um ‘‘super Civicão’’. O sedã de luxo, que chegou ao Brasil em janeiro de 2016, tem capô e para-choque com vincos acentuados, grade cromada, faróis e luzes de neblina em LED. Na traseira, as belas lanternas – que lembram bastante a linha BMW – têm iluminação em LED e a tampa do porta-malas ganhou um aerofólio. O para-choque traseiro também é novo. Escapamento com dupla saída e rodas aro 18” calçadas com pneus 235/45 completam a esportividade.

Requinte a bordo

Internamente, bancos em couro, detalhes imitando madeira e teto solar elétrico dão os toques de conforto. Central multimídia com tela de 7” multi touchscreen é completa e fácil de ser usada. Retrovisores são eletricamente rebatidos e o do lado direito conta com o dispositivo Honda LaneWatch, que monitora o ponto cego por meio de uma câmera localizada abaixo do espelho e mostra as imagens no display i-MID, também disponível no Civic. Espaço há de sobra, pois tem 4,91 m de comprimento (contra 4,64 m do Civic, por exemplo), 2,77 m de entre-eixos, 1,85 m de altura e 1,47 m de altura.

 

Um up! no visual

Compacto recebe a nova linguagem global da Volkswagen, chegando neste mês às concessionárias.

O up! é submetido a uma reestilização externa e interna na linha 2018, ganhando também mais tecnologia: faróis de neblina com luz de conversão estática (cornering light), sensores de chuva e de luminosidade (crepuscular) e suporte para celular. 

O up! com a nova linguagem global de estilo da Volkswagen começa a chegar às concessionárias ainda neste mês. Seus preços ainda não foram divulgados, mas a linha atual começa em R$ 35,56 mil (take up! duas portas).

As versões contam com duas opções de motorização 1.0 de três cilindros: a MPI de até 82 cv (associada ao câmbio manual de cinco marchas ou automatizado I-Motion) e a TSI de até 105 cv (transmissão manual de cinco marchas).

O modelo conta com o aplicativo exclusivo “maps + more” desenvolvido pela montadora, que possibilita monitorar as principais funções do veículo por meio do smartphone.

Interior também reestilizado

Por dentro, são novos o painel, instrumento combinado, volante global (multifuncional e com acabamento em couro, dependendo da versão), suporte para celular, figurino dos bancos e texturas. A iluminação ambiente, inédita na categoria, utiliza um filete em LED branco para destacar toda a parte inferior do painel. A faixa superior (PAD) que cobre o painel passa a ter a tecnologia “In Moding Label”, semelhante à utilizada em modelos como o Golf. Cada versão conta com ambientação exclusiva, desenvolvida de acordo com a proposta do modelo. Em comum estão as linhas mais horizontais e a maior quantidade de componentes em preto brilhante, ressaltando a melhora na qualidade do acabamento.

Novos mostradores

O instrumento combinado também é novo. Há três grandes mostradores circulares, dispostos de maneira estratégica para facilitar a leitura: à esquerda fica o conta-giros, à direita o marcador do nível de combustível e, ao centro, o velocímetro junto com a tela central com iluminação branca. Com 3,5”, a tela central do instrumento combinado traz novas funções. Agora é possível monitorar informações de texto do rádio e de mídias pelo instrumento combinado, que possibilita também configurar a linguagem e as unidades de medida das informações do computador de bordo, que tem nove funções.

Estilo atualizado

O modelo ganha linhas mais horizontais e um conjunto ótico que passa a contar com elementos internos. Já o para-choque está mais pronunciado, com ângulos mais evidentes. A grade do radiador ganha friso cromado que se conecta à linha que margeia os faróis. Nas laterais, destaque para o logotipo “TSI” na coluna “B” e as novas rodas e calota. O take up! agora é equipado com a calota 14”. O move up! traz a roda em liga-leve 14” e o high up! exibe a roda em liga 15”. Todas com visual inédito. Graças aos novos para-choques, o novo up! tem comprimento de 3,68 m. Ou seja, 8,4 cm maior que o modelo anterior (ganho de 7,2 cm no balanço dianteiro, que passa para 65,7 cm, e 1,2 cm no balanço traseiro, agora de 61,1 cm).

Lanternas com novo visual

A parte de trás do veículo segue a filosofia da dianteira, com mais elementos cromados e detalhes que realçam a esportividade. As lanternas têm novo visual e são escurecidas, utilizando a tecnologia de tripla injeção (com elementos em vermelho, preto e transparente). Resultado: uma nova assinatura visual noturna.

Outra novidade é o friso cromado que percorre toda a parte inferior da tampa do porta-malas (high up!) e se conecta com o fim das lanternas. O para-choque traseiro também é novo, com linhas mais horizontais e que se alargam conforme se aproximam da parte inferior do veículo, dando a impressão de que o novo up! está mais largo. Retrorrefletores e o amplo difusor traseiro complementam o conjunto.

Versão connect amplia a linha

Para marcar a chegada do novo up!, a Volkswagen está lançando a série especial “connect”, com detalhes inéditos e estilo diferenciado. Seu preço também não foi divulgado.

Oferecida exclusivamente com a motorização TSI, a novidade traz retrovisor e teto pintados em preto ninja (há a opção de o teto na cor do veículo), interior escurecido (conferindo mais esportividade), adesivo na soleira das portas, faixa lateral alusiva à versão, roda em liga-leve aro 15” diamantada e com detalhes em preto brilhante e o sistema de som Composition Phone. A “connect” será oferecida nas cores laranja habanero (nova), azul lagoon e prata sírius.

Mobi com câmbio automatizado por R$ 44,78 mil

Câmbio GSR-Comfort reforça a proposta de veículo urbano do compacto Fiat .

São Paulo - Um carro econômico, do tamanho certo e com conforto na medida para encarar o trânsito nas áreas urbanas. Essa é a proposta do Fiat Mobi 2018, que agora ganha o câmbio automatizado GSR-Comfort e chega ao mercado por R$ 44,78 mil – cerca de R$ 4 mil a mais que seu antecessor, o Mobi Drive, e que o torna a opção sem pedal de embreagem mais barata do Brasil. Concebido para facilitar a locomoção pela cidade, é um modelo ideal para as tarefas do dia a dia, como ir ao trabalho e supermercado ou buscar os filhos na escola. Suas dimensões compactas garantem a capacidade de estacionar em qualquer lugar, o que hoje é um desafio à parte nos grandes centros.

Baixo consumo

Fazendo uma média de 14 km/l na cidade e 15,9 km/l na estrada com gasolina, o Mobi Drive GSR (Gear Smart Ride) alcançou o menor consumo de combustível em ciclo urbano entre todos os modelos equipados com motor 1.0 à venda no País, segundo testes do Inmetro. As médias caem para 9,9 km/l e 11,1 km/l com etanol.

O câmbio automatizado GSR-Comfort pode ser acionado por botões no console e paddle shifts (borboletas atrás do volante), formando um conjunto de novos aparatos que é complementado por motor Firefly 1.0 três cilindros, direção elétrica com função City e o sistema Fiat Live On de entretenimento a bordo. O compacto está disponível nas revendas em opções nas cores sólidas branco banchisa, preto vulcano e vermelho alpine, na perolizada branco alaska e na metálica prata bari.

Viagem a convite da Fiat

Eficiência e desempenho

A versão com o câmbio GSR-Comfort unifica a conveniência de uma transmissão automatizada à eficiência e desempenho do motor Firefly 1.0 três cilindros, elevando a economia de combustível principalmente em situações de tráfego intenso. No console central, cinco botões permitem o acionamento, incluindo a função Sport, que ativa um modo de condução mais dinâmico.

Por meio de paddle shifts o motorista pode realizar as trocar manualmente, mesmo quando o câmbio estiver na posição automática. Também conta com a função Creeping, que torna arranques e manobras mais confortáveis e seguros. Basta tirar o pé do freio para o carro se movimentar, a exemplo de um câmbio automático convencional. Há também o Auto-up Shift Abort, sistema inteligente que identifica uma rápida retomada e, como o nome sugere, aborta a troca para uma marcha superior, mantendo acelerações mais vigorosas.

Motor Firefly 1.0

O novo motor Firefly 1.0 três cilindros adota a arquitetura de duas válvulas por cilindro com geometria do conjunto otimizada. Essa concepção técnica resulta em potência elevada, maior torque em baixas rotações e reduzido consumo de combustível. O Firefly 1.0 trabalha em giro mais baixo, assegurando ao Mobi maior silêncio a bordo. A direção elétrica tem com função City que, quando ativada por meio de um botão no painel, reduz ainda mais a necessidade de esforço durante as manobras de estacionamento. A função é desativada automaticamente em velocidades maiores. O Mobi Drive oferece ainda com tecnologia HCSS, que elimina o tanquinho extra de gasolina para partidas a frio.

Outras versões

Aproveitando o lançamento do Mobi GSR-Comfort, a montadora promove também algumas mudanças nos outros modelos do compacto, com kits de conteúdo que permitem maior personalização. Confira:

Easy - R$ 33,7 mil

Traz de série motor Fire 1.0 EVO 8V Flex, quadro de instrumentos com iluminação em LED e display digital de 3,5’’, brake light e ESS (sinalização de frenagem de emergência). Pode receber opcionalmente desembaçador com ar quente e o Kit Funcional, composto por vidros elétricos dianteiros, pré-disposição para rádio, desembaçador, limpador e lavador do vidro traseiro e travas elétricas nas portas.

Like - R$ 39,19 mil

Adiciona à versão Easy ar-condicionado, direção hidráulica, computador de bordo, vidros elétricos dianteiros, trava elétrica nas portas, volante com regulagem de altura, maçanetas e retrovisores na cor do veículo. Pode receber o Kit Connect, com desembaçador do vidro traseiro, limpador e lavador vidro traseiro, rádio Connect com bluetooth e volante multifuncional, ou o Kit Live On, que acrescenta a esses itens o sistema Fiat Live On e quadro de instrumentos em TFT.

Way - R$ 40,65 mil

Acrescenta ao modelo Like barras longitudinais no teto, moldura nas caixas de roda, para-choques exclusivos e suspensão elevada. Essa versão também pode ser equipada com os kits Connect e Live On.

Drive - R$ 40,65 mil

Além dos itens da Like, traz o novo motor 1.0 Firefly 6V Flex, grade dianteira com pintura em preto ônix, direção elétrica e sistema HCSS de partida a frio. Os kit disponíveis são Connect, Live On e ainda o Tech, composto por chave com telecomando, faróis de neblina, rodas em liga-leve 14”, alarme, retrovisor elétrico com tilt down, cargo box, banco do motorista com regulagem de altura, sensor de estacionamento traseiro, bancos extra série, cintos dianteiros com regulagem de altura, abertura interna do porta-malas e tanque de combustível, além de revestimento da soleira das portas dianteiras.

Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS