Jornais
FECHAR
  • Jornal VS
  • Diário de Canoas
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
  • Correio de Gravataí
Grupo Sinos
Publicado em 10/04/2014 - 17h35
Última atualização em 10/04/2014 - 17h36

Sex Pistols, a história do punk rock (2)

Trajetória da banda foi marcada por polêmicas

A televisão encarregou-se de levar o punk aos ingleses. No dia 1 de dezembro de 1976, Siouxsie, os Pistols e outros punks foram os astros de um dos programas de maior audiência da TV inglesa, às cinco da tarde. Depois do programa, dois milhões de britânicos passam a amar ou odiar os Sex Pistols. A imprensa os detonou por completo e, de quebra, levou o movimento às primeiras páginas de todos os jornais. Dez mil cópias de Anarchy In The U.K. foram vendidas. Contudo, os Pistols foram expulsos da EMI em 6 de janeiro de 1977. Glen Matlock nunca se deu bem com Johnny Rotten. Em fevereiro de 1977, as brigas encresparam e Matlock foi expulso.
 
A saída do baixista motivou a entrada daquele que viria a ser o maior símbolo do punk rock em todos os tempos: Sid Vicious (John Simon Ritchie (10 de maio de 1957 – 2 de fevereiro de 1979). O melhor amigo de Rotten não sabia tocar. Contudo, sua performance ao vivo e sua personalidade deram o “toque final” na fórmula do grupo. Vicious deu trabalho desde o início: em um dos primeiros ensaios, passou mal e foi levado as pressas para o hospital. Diagnóstico: hepatite pelo consume de álcool e drogas injetáveis.
 
Apesar de terem cancelado dezenas de shows, os Pistols logo assinaram um contrato com a gravadora A&M Records e, aproveitando o jubileu de prata da Rainha Elizabeth II, quando completou 25 anos no trono da Inglaterra, a banda lançou o single God Save The Queen. A canção trazia uma das máximas do movimento punk: “Não há futuro na Inglaterra.”
 
Em março, foi a vez da A&M despedir o grupo. Os motivos foram exatamente os mesmos da EMI, mas, desta vez, os quatro Pistols e McLaren embolsaram cerca de 75 mil dólares cada um. Dois meses depois, a Virgin Records contratou a banda. Dirigida por Richard Branson, um jovem milionário excêntrico e quase tão maluco quanto os músicos que contratara, a Virgin bancou todas as disputas dos Pistols, inclusive o veto da BBC com God Save The Queen.