Jornais
FECHAR
  • Jornal VS
  • Diário de Canoas
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
  • Correio de Gravataí
Grupo Sinos
Publicado em 19/03/2015 - 15h52
Última atualização em 19/03/2015 - 16h29

Supervão lança primeiro single

Banda de São Leopoldo aposta na psicodelia digital

André Heck - andré.heck@gruposinos.com.br

A psicodelia está em alta com bandas gringas como Tame Impala e Temples ou nacionais, como os Boogarins. Nessa onda, a Supervão está lançando o seu primeiro single: Cadilac Olodum, que traz Priminho Maçã como lado B. A estreia da banda de São Leopoldo é o primeiro lançamento de 2015 da Lezma Records. A festa de lançamento do single da banda formada por José Fonseca (guitarra, teclado e programação), Mario Arruda (voz, bateria e programação) e Leonardo Serafini (guitarra) será neste sábado, dia 21 de março, no Bar Papilon (Venâncio Aires, 912, Cidade Baixa, em Porto Alegre), com ingressos no local a 15 reais.

"Supervão é sobre ir com muito desejo aonde ainda não se foi”, comenta Mario Arruda. Conforme o material de divulgação, "a banda chega com uma proposta de síntese de tendências musicais e audiovisuais que emergiram recentemente na cultura da internet, convergindo referências globais como Vaporwave (psicodelia contemporânea oriunda da art media), pós punk e health goth, e adentramentos regionais brasileiros como música de ciranda, fuga ao subúrbio e Tropicalismo. Com isso, buscam cunhar o termo Neu Tropicália".

Arruda explica: “A psicodelia tem a ver com a imersão nos bits, na timeline, no vaporwave. Assim como se fosse uma substância, a internet transforma o ser humano. E gostamos muito dessas duas bandas. Tame Impala é inspiração até de modo de gravação e o Boogarins tem um show foda, queremos fritar daquele jeito ao vivo.”

Enquanto Serafini divide suas guitarras entre a Supervão e a Siléste e Mario Arruda também destila psicodelia com a Chimi Churris, José Fonseca mantém seus outros projetos "escondidos", mas garante que as outras bandas dos colegas de Supervão influenciaram no novo trabalho. “Meus outros projetos são tão meus que tão escondidos em soundclouds codificados, mas a Siléste e o Chimi, pelo menos pra mim, servem muito como referencia inspiradora”, revela. Dá uma conferida então no som dos caras, e boa viagem. Se liga aí: