Jornais
FECHAR
  • Jornal VS
  • Diário de Canoas
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
  • Correio de Gravataí
Grupo Sinos
Publicado em 10/08/2015 - 21h41
Última atualização em 11/08/2015 - 06h38

Estudante de paleontologia encontra 'tocas' feitas por preguiças gigantes

Paleotocas foram encontradas por estudante da Ufrgs, em Novo Hamburgo

Débora Ertel - debora.ertel@gruposinos.com.br

Novo Hamburgo - Mais uma parte do passado, do tempo em que os grandes animais reinavam sobre a terra, foi descoberta em Novo Hamburgo. O estudante de paleontologia da Univesidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) Maurício Haag localizou uma paleotoca na Rua Henrique Eltz Neto, no bairro Vila Nova, próximo ao Câmpus 2 da Feevale. Conforme o professor Heindrich Frank, do Instituto de Geociências da Ufrgs, o túnel deve ter sido feito por uma preguiça gigante. O animal pesava entre 800 e 5,5 mil quilos e possuía garras gigantes. “Que lembram uma picareta”, comenta Frank. O túnel pré-histórico está na barranca de um terreno que está à venda e passa despercebido pelos moradores.
 
Como o buraco pode ter entre milhares e milhões de anos, acabou sendo preenchido por sedimentos por conta da ação do tempo. No entanto, ficou uma mancha elíptica, com cerca de 1,5 metro de largura, onde é possível ver a diferença entre a parede da rocha e a terra que preencheu a paleotoca. Os pesquisadores não escavarão a toca. “Ela é importante para se ter uma ideia da abundância de tocas na cidade. E em Novo Hamburgo temos certeza que existem dezenas de tocas. O problema é que tem uma cidade em cima e onde não tem, está coberto por mato”, comenta.
 
paleotoca, preguiça, toca
 
Estudo em outras cidades
 
Recentemente, os pesquisadores da Ufrgs também localizaram paleotocas em Montenegro, Paverama e Guaíba, no trecho que vai até Pelotas, durante as obras de duplicação da BR-116. Já em Montenegro, que fica na zona rural, em quase 30 metros de comprimento. Os tatus gigantes, mesmo os maiores exemplares, pesavam no máximo 270 quilos e cavavam tocas entre 70 e 80 centímetros. “Ele não faria uma toca mais larga que seu tamanho, caso contrário um dos seus predadores, o tigre de dentes de sabre, poderia entrar”, analisa. A paleotoca montenegrina, inclusive, tem marcas de garras no teto.

Frank nunca encontrou uma ossada em suas expedições e considera improvável essa descoberta. “Em uma das tocas estava escrito o ano de 1890. Então, se tinha alguma coisa ali, alguém já levou”, lamenta.

Em maio de 2012, foram encontrados 60 túneis escavados por tatus gigantes, que tinham em média um metro de altura, dois de comprimento e meio de largura, às margens da BR-116. No mesmo ano, no mês de dezembro, um túnel foi descoberto em Riozinho. Também há registros em Estância Velha.

Paleotocas são tocas cavadas por animais extintos que viviam em parte em abrigos subterrâneos. Assim como atualmente os tatus, as corujas buraqueiras e outros animais se abrigam em tocas que eles mesmos escavam, no passado existiram animais que cavaram abrigos.
 
 

Publicidade