Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Nas estradas do mundo

Excesso de velocidade causou 1,2 milhões de mortes em 2016

Segundo a Organização Mundial da Saúde, de 40 a 50% dos motoristas passam da velocidade permitida

Pixabay/Divulgação
Excesso de velocidade
Um novo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado na semana passada, afirma que o excesso de velocidade contribui para um em cada três acidentes de trânsito pelo mundo. Cerca de 1,2 milhões de pessoas morreram em 2016 nas estradas. De 40% a 50% dos motoristas ultrapassam os limites de velocidade e homens jovens e sob a influência de álcool estão mais suscetíveis a se envolverem em acidentes de trânsito provocados por alta velocidade. Os acidentes de trânsito continuam sendo a principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. Por isso, a ideia da OMS é criar medidas para ajudar a prevenir mortes e lesões causadas por acidentes envolvendo velocidade, para tornar as populações mais saudáveis e as cidades mais sustentáveis. 

Segundo a organização, apenas 47 países no mundo seguem boas práticas envolvendo a administração de medidas a respeito de velocidade - especialmente implementando um limite de velocidade urbano de 50 km/h ou menos e permitir autoridades locais a reduzir estes limites em vias perto de escolas, residências ou comércios. O relatório divulgado pela OMS aponta que uma diminuição de 5% na velocidade média pode resultar em uma redução de 30% em acidentes fatais no trânsito. Ainda, afirma que um pedestre adulto tem menos de 20% de chances de morrer se atingido por um veículo andando a menos de 50 km/h. Se a velocidade for de 80 km/h, o risco sobe para quase 60%. 

"Se os países cuidassem desse risco, em breve colheriam frutos de ter estradas mais seguras, em termos de vidas salvas e aumento de caminhadas e ciclismo, com profundos efeitos na saúde", destaca a diretora-geral da OMS, Dra. Margaret Chan. A região africana é a que mais tem ocorrências de fatalidades: 26.6 a cada 100 mil habitantes. A média mundial é de 17,5. As Américas têm um índice de 15,9. 

Ocorre mundialmente, desde ontem até o dia 14, a Semana Global de Segurança nas Estradas, organizada pela OMS. No Brasil, campanhas em escolas fazem parte da atividade, além do uso da hashtag #SlowDown (diminua a velocidade)

As medidas de velocidade incluem: 

- construir ou modificar estradas para incluir equipamentos que acalmem o tráfego, como rótulas ou quebra-molas;

- estabelecer limites de velocidade apropriados para a função de cada estrada;

- reforçar limites de velocidade pelo uso de controles automáticos e manuais;

- instalar tecnologias dentro dos veículos em novos carros, como assistência inteligente para velocidade e freio de emergência autônomo;

- aumentar a consciência sobre os perigos da velocidade;


PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS